WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA

 -  - WILLIAM PEREIRA
Total Visualizações: 94610
Texto mais lido:
ÍRIS - Total: 2810
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 176
10 Autores mais recentes...
ANA PAULA DE JESUS OLIVEIRA
MICHELE LIMA CAVALCANTE
ROSA SANTOS DA SILVA
SHIRLEY A. MORAIS
IVONETE MELO DE CARVALHO
PRISCILA MIDORI
SIMONE BIANCHI ZAAR
PROF VANESSA VIEIRA
MARCIA MARIA COUTO COSTA EL CORAB
GERALDA JÚNIA LEMOS PEREIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 6388439
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1257051
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 965466
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 832451
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 495089
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 243798
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 151916
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 129255
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 122257
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 107989
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 565
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 1
 
 

A ÚLTIMA QUIMERA

Se algum dia, um espectro me surgisse,
seria assim – simplesmente um poeta

Naquela noite encontrei Augusto dos Anjos. Era uma praça – não, uma praia! O poeta estava sentado, olhando o mar como se buscasse entender o sentido de tudo. Parei, intrigado. Sentei ao seu lado e tentei fixar o olhar no mesmo ponto que ele observava, mas não podia alcançá-lo.
O olhar do poeta estava longe, como se fosse outro tempo. Pensei em falar alguma coisa, mas não consegui interromper o silêncio – bendito silêncio! Havia um reflexo tênue nas ondas que chegavam à praia, constantes, trazendo a música dos tempos, o ritmo de tantos versos ...
O poeta parecia não notar a minha presença, e continuava mergulhado em sua própria alma – um mar sem fronteiras. Se me fosse dada a chance de fazer uma única pergunta àquele homem, qual seria? Se eu pudesse me entender melhor através daquele ser tão diferente, o que precisaria ouvir?
Foi enquanto pensava nisso que Augusto dos Anjos levantou, lentamente, e caminhou até a água, como se flutuasse. Não deixava pegadas, não revolvia a areia. Olhei a silhueta magra daquele homem e pensei no quanto o espírito é mais forte que o corpo. Quantas derrotas teriam sido sublimadas apenas por aquele sopro de vida, aquela centelha.
Não pude deixar de pensar que, se algum dia, um espectro me surgisse – como o pai de Hamlet, nos muros de um castelo dinamarquês – seria assim, simplesmente um poeta, não um rei. Seria um homem humilde, que viveu as dores do mundo, para quem o reconhecimento só chegou depois da morte, não um poderoso mandatário de qualquer nação.
Deus sabe que eu não levaria a sério os reis, mas que respeito os poetas. Eles ajudaram a moldar meu espírito, me mostraram as palavras e o que se esconde por trás delas. Não o pai de Hamlet, é certo, mas talvez o próprio Shakespeare, ele sim um poeta primoroso. Ou Pessoa – qualquer um de seus múltiplos eus. Ou Bandeira, Shelley, Neruda, Maiakovski ... Sim, um deles viria me trazer uma mensagem ou apenas para me mostrar que a vida continua.
Então, por que ele – Augusto, em seu silêncio, rumo ao mar como se não me notasse, filho de outro tempo? Por que ele, justo quem cria no fim de tudo ao último sopro de vida, na supremacia do verme sobre o homem? Por que o poeta das quimeras enterradas, das catedrais imensas destruídas – uma voz que sei de cor, de tanto ruminar seus versos? Antes que o poeta tocasse o mar, levantei-me e gritei (à minha volta, as imagens ficavam distorcidas, tudo perdia o foco).
- Poeta, por que você aqui, no meu sonho!? – eu sabia, só tinha direito a uma pergunta.
Ele virou-se lentamente, sim, como um espectro. Veio à lembrança algo como espírito dos natais passados, de Dickens. Senti um frio profundo me invadir – teria eu voltado no tempo para encontrar os meus próprios medos? Qual seria o tempo real, o aqui e o agora? Perdi a momentânea consciência de que tudo era um sonho e cheguei mais perto para ouvir a resposta do poeta.
Num instante, já era o início do século vinte, suas roupas, seus periódicos, sua falta de esperança. Gente surgia – casas, ruas, veículos, tudo se construindo à minha volta. Augusto pareceu ganhar vida – o corpo renovado, o ar de volta aos pulmões, a matéria mostrando seu valor ... Percebi que, então, era eu o espectro – eu o fantasma do pai de Hamlet – só que não um rei, mas um simples poeta.
E Augusto, finalmente me olhando nos olhos, respondeu meu grito com outra pergunta:
- Poeta, por que você aqui, no meu sonho!?

....................

Eu não sabia a resposta ... Mas de que importava isso se meu olhar, finalmente, conseguira alcançar o ponto onde antes se perdia o olhar do poeta?


(Direitos reservados ao autor - Primeira publicação em 07/03/2005 no blog do autor, e em 12/09/2006 no site www.williammendonca.com. Integrante do livro "Realidade nua e crua", disponível para download no mesmo site.)

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA:
20 DE OUTUBRO: DIA DO POETA Autor(a):
A AREIA FINA Autor(a):
A DOR QUE ME VISITA Autor(a):
A LIRA DOS VINTE ANOS Autor(a):
A MIL POR HORA Autor(a):
A MORAL RASTEJANTE Autor(a):
A PAZ NO OLHAR DE GABRIELA Autor(a):
A POESIA DAS NOITES DE HOJE Autor(a):
A QUEM NÃO AMA Autor(a):
A RENÚNCIA DO PAPA Autor(a):
A ÚLTIMA QUIMERA Autor(a):
A VERDADE RELATIVA Autor(a):
ABSINTO Autor(a):
AGORA Autor(a):
AGRADECIMENTO Autor(a):
ALGUMAS TROVAS IMPERFEITAS Autor(a):
AMANHECER Autor(a):
ANA C. - O brilho interrompido Autor(a):
ANACRÔNICO Autor(a):
ÂNSIA Autor(a):
ANTONIN ARTAUD - O teatro e sua santa loucura Autor(a):
ANUNCIADA Autor(a):
AO TEU SOL EM PEIXES Autor(a):
AONDE VAI O POVO? (Conversa com o Brasil) Autor(a):
AOS ABUTRES Autor(a):
AOS NOSSOS FILHOS Autor(a):
APARTHEID BANCÁRIO Autor(a):
ARGONAUTA Autor(a):
ARTAUD Autor(a):
ARTHUR MILLER - o mestre indiscutível do drama moderno Autor(a):