WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA

 -  - WILLIAM PEREIRA
Total Visualizações: 82059
Texto mais lido:
ÍRIS - Total: 2421
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 176
10 Autores mais recentes...
JÚNIOR MELO
GABRIELA DA SILVEIRA GONÇALVES DINIZ
SIDNAIDE DALINA DOS SANTOS
JOSE HENRIQUE SANTOS
ELIZANDRO APARECIDO ROCHA DOS SANTOS
MARIA DE LOURDES ALVES RIBEIRO FIDELES
FELIPE RAFAEL DOS SANTOS
MARIA EDUARDA BARBOSA CASTRO
ALCILEIA
LARA FÁBIA SCHUNCK
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 5416367
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1039071
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 829677
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 763902
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 427644
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 219046
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 145418
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 113169
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 104544
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 94950
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 643
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 2
 
 

A RENÚNCIA DO PAPA

Pode-se dizer que nunca um Papa teve tanta influência na escolha de seu sucessor quanto Bento XVI, que anunciou sua saída do comando da Igreja Católica para 28 de fevereiro. Substituto do carismático João Paulo II, o cardeal alemão Joseph Ratzinger soube, desde o início, que teria um papado curto e cheio de desafios, como os casos de pedofilia protagonizados por padres em vários cantos do mundo e o crescimento de outras religiões cristãs.
Considerado um conservador, Bento XVI confirmou várias das posições que já eram esperadas: manteve o catolicismo contrário ao homossexualismo, ao aborto, ao uso de preservativos – assuntos que interessam muito especialmente aos jovens. Por outro lado, tentou abrir diálogo com a juventude em outros campos, buscando renovar os ares do Vaticano, e conseguiu uma mobilização para a Jornada da Juventude que acontece neste ano no Rio nunca antes vista.
Mas não passaram os dias de Bento XVI sem várias gafes no relacionamento com judeus e muçulmanos, sem a lembrança de sua passagem pela juventude nazista, sem a demissão do presidente do Banco do Vaticano, sem que documentos sigilosos fossem revelados pelo seu próprio mordomo – em suma, Bento XVI não teve vida fácil à frente da maior potência religiosa do mundo. E já havia dito, em livro, que cogitava a hipótese da renúncia.
A questão da renúncia papal, que aconteceu pouquíssimas vezes (a última no século 15), no entanto, mostrou que Joseph Ratzinger era mesmo o “político” que o Vaticano esperava quando o escolheu, em 2005. Anunciar a renúncia em pleno Carnaval, numa reunião ordinária com cardeais, não foi um ato aleatório – visava chamar atenção para a própria igreja. Datar a sua saída para uma semana depois de um evento em que Bento XVI irá empossar novos cardeais, que formarão o colégio eleitoral que definirá o seu sucessor, também é claramente um movimento estudado.
Como um enxadrista, Bento XVI parece recuar, mas, na verdade, avança. Geralmente, o fim de um papado acontece com a surpresa, com a morte do pontífice – caso marcante, por exemplo, o de João Paulo I, que ficou pouco mais de um mês à frente do Vaticano. Bento XVI reverteu essa surpresa, dando aos cardeais tempo suficiente para definir qual será o melhor comandante para os rumos e desafios futuros do catolicismo. Não é demais se imaginar que o próprio Papa esteja envolvido nas articulações para a escolha do sucessor.
A primeira reunião do Papa com alguns padres da diocese de Roma já deu mostras que os alegados problemas de saúde não tiraram de Bento XVI o discernimento. Ele afirmou que não sofreu pressões políticas para deixar o cargo, mas disse que é preciso superar as rivalidades dentro da própria Igreja, falando sobre "divisões do corpo eclesiástico", que põem em perigo a sua unidade e que "desfiguram a face da Igreja". Mensagens claras, para quem quiser ouvir.
O fato é que, em 28 de fevereiro, Bento XVI – sem o artifício do suicídio, utilizado por outros líderes políticos – sairá do comando da Igreja Católica para entrar na História, pois a comoção causada pelo gesto e as articulações que se seguiram (e, certamente, vão ganhar força até o conclave que escolherá o novo Papa), provavelmente, farão com que a Igreja siga, daqui para frente, exatamente o rumo que Bento XVI, ou melhor, Joseph Ratzinger, sempre quis.

(Publicado no JORNAL ITABORAÍ de 15/02/2013)

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA:
20 DE OUTUBRO: DIA DO POETA Autor(a):
A AREIA FINA Autor(a):
A DOR QUE ME VISITA Autor(a):
A LIRA DOS VINTE ANOS Autor(a):
A MIL POR HORA Autor(a):
A MORAL RASTEJANTE Autor(a):
A PAZ NO OLHAR DE GABRIELA Autor(a):
A POESIA DAS NOITES DE HOJE Autor(a):
A QUEM NÃO AMA Autor(a):
A RENÚNCIA DO PAPA Autor(a):
A ÚLTIMA QUIMERA Autor(a):
A VERDADE RELATIVA Autor(a):
ABSINTO Autor(a):
AGORA Autor(a):
AGRADECIMENTO Autor(a):
ALGUMAS TROVAS IMPERFEITAS Autor(a):
AMANHECER Autor(a):
ANA C. - O brilho interrompido Autor(a):
ANACRÔNICO Autor(a):
ÂNSIA Autor(a):
ANTONIN ARTAUD - O teatro e sua santa loucura Autor(a):
ANUNCIADA Autor(a):
AO TEU SOL EM PEIXES Autor(a):
AONDE VAI O POVO? (Conversa com o Brasil) Autor(a):
AOS ABUTRES Autor(a):
AOS NOSSOS FILHOS Autor(a):
APARTHEID BANCÁRIO Autor(a):
ARGONAUTA Autor(a):
ARTAUD Autor(a):
ARTHUR MILLER - o mestre indiscutível do drama moderno Autor(a):
Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje FRANCISCO DJACYR SILVA DE SOUZA
Aniversariante de Hoje MARCIA REZENDE