TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 34995
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 550
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 379
10 Autores mais recentes...
BARBARA RIBEIRO GOMES VIEIRA
ANA PAULA GIUSEPETI
FRANCISCO JARBAS DA SILVA
GERSON MOURA
ALYSSON PEREIRA
SHIRLEY TELES
VERA LUCIA FERNANDES
GLEYSIELE BRAGA GUALBERTO RABELO
ALYSSON RUBENS
BARTIRA MENDES COSTA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 4550334
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 779945
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 691215
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 659484
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 348293
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 191875
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 138238
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 95669
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 86198
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 81119
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 35
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

COTIDIANO EM FRANGALHOS

Penso quem seria responsável pelo surgimento do novo personagem na política, que utiliza palavrões e se faz referência negativa pelo apoio ao preconceito e à diversidade, como vantagem para se eleger.
Tenho a impressão de que voltamos ao tempo das grades e dos muros altos, pois, ele incentiva a violência e se julga a expressão do autoritarismo sobre tudo e todos. Espanta-me a placidez com que o eleitor o aguenta, suporta e aceita, fosse a solução do bem viver. Arnaldo Antunes retrata, “... fraturado/ nesses dias / brutos / de coturnos / xucros / a chutar a cara de quem / ama / arte / cultura educação / liberdade de expressão / diversidade...”.
Tenho medo que tais ataques especulativos, destrutivos e o que chamo de choque oportunista, sejam o engodo que a população não reconhece como problema, resultando em processo de incompetência e irresponsabilidade, gerando – em futuro próximo - mais obrigações e menos direitos. Gostaria que os cidadãos desistissem de acreditar nesse discurso vazio, odioso e interesseiro, em que não se absorvem ideias e que sub-repticiamente apenas revela a culpa dessa mesma população num cotidiano em frangalhos. Como em Arnaldo Antunes, ... se nessa seara não há direitos / nem respeito / ensino ou dignidade / só horror e / ódio, ódio / e horror / as palavras perdem a clareza / os valores perdem o valor / a vida perde o valor...”.
Saliento que os ataques são feitos, diariamente em baixo calão; não há regras que sejam respeitadas. Inúmeras às vezes em que ele ataca e repete suas idiossincrasias e preconceitos sobre os cidadãos que não acreditam em suas jogadas eleitoreiras: joga palavras nos bueiros.
O sistema colapsa com tantas agressões e falsidades, o que me faz desacreditar que um dia poderá efetivamente ser governo na acepção do termo; não há ideologia, apenas negócios que ironicamente não surgem para todos, apenas, em benefício próprio. É inaceitável, inapropriado e ilegal, porque traz consigo um cotidiano em frangalhos. Parece filme de terror em que todos os dias somos assombrados por algum espalhado espírito corrosivo. Nas palavras de Arnaldo Antunes, “... seguindo / docilmente para o abismo / nessa insanidade coletiva / em que o Brasil nega / qualquer futuro possível / e o ódio / o horror e o ódio / e nada que se diga faz sentido...”
O cotidiano está misturado na canalhice e na falta de escrúpulos do personagem em sua crueldade, movido em pantanoso discurso do horror onde desaparece a humanidade.
Difícil acreditar que tudo isso está diante dos nossos olhos; de verificar estarmos vivendo em ambiente fumacento, escuro, assustador, medíocre e hipócrita. São armadilhas que reduzem o cotidiano em frangalhos. Em Marcelo Coelho, “A moral da história talvez seja dos filmes “noir” à moda antiga: tramoias e casos suspeitos se distribuem entre todos os personagens, trocam-se denúncias como tiros...”.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
100 ANOS?!?! Autor(a):
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A BUSCA pela BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A EXCEÇÃO Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
A INTENÇÃO E O FEITO Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
ABRAÇO Autor(a):
AFETIVIDADE e EFETIVIDADE: torna real a relação? Autor(a):
AGONIA Autor(a):
ALMA do TEMPO Autor(a):
ALMA do TEMPO Autor(a):
AMAR Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARROGÂNCIA ou IGNORÂNCIA Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):