TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 7447
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 277
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 203
10 Autores mais recentes...
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2587439
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 330072
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 234026
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 126738
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 125982
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 119333
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 114361
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 48039
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 42297
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 42178
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 74
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

“... Terá fim o / delito de viver?” (Jorge Tufic)

Logo as páginas do livro estarão ocupadas pela gritante fala: FIM. O que será que a palavra fim significa? Seria não ter nada mais para alcançar, nada mais por que lutar ou para buscar por uma mudança? Ou o fim vem sempre acompanhado do novo? Ou resulta na falta de... “Todos anunciavam por ele, sofriam com sua falta.” Só para efeito de exercício, imagino que fim representa apenas uma história que terminou. Muitas vezes, quando a trama está muito complicada, o autor opta por dar um fim à sua história.
O dom das palavras e a liberdade dão vozes às pedras; fazem chover. Ao crer em tais figuras de linguagem, acredito na fantasia. Ocorre que, por definição, sempre estamos em busca da arte (de fazer e escrever) e, consequentemente, citamos e revelamos uma questão específica: as visões do mundo e suas finalidades.
Nessa vida poluída pela multiplicidade de interesses, tudo é quase sempre absurdo, mas a finalidade é soberana e tem por meta evitar o “fim”. É o contraponto necessário para dar fim ao medo, à infelicidade, às queixas, à inversão dos valores. Com nitidez, o fim apresenta argumentos para serem expostas em idéias refletidas nos poemas:
“Fim // eu vou no meu tempo, quando a hora chegar, sem barbáries químicas ou tecnológicas.” (Carlos Pessoa Rosa)

“Poderíamos ter sido o começo / fomos o fim / encerrando luzes / e amores // poderíamos ter sido o início / fomos o consumido / fechando as portas / aos que começam // dos amores nenhuma notícia / ou comentário” (Pedro Du Bois)

“Fim do mundo // o planeta vira poeira. / A terra vai acabar...” (Luiz Coronel)

“: assim / desligo calada / antes de você dizer a / palavra / - fim- / antes de lhe conceder o tempo / que faltava / antes de deixar querer / voltar / para mim”. (Márcia Maia)

Poemas são perfumes que inebriam, uma planta mágica, um feitiço. Percorrem o transcurso do tempo e dão à vida o bom desfecho: vida eterna. A poesia embrenha-se em cada alma, domina cada cabeça e se faz na percepção da pessoa. Ela não tem fim. Tem início e podemos perceber que tudo indica que a literatura está vencendo sua longa luta contra o tempo, porque tem vínculo com os diversos contextos da vida.

“Escrevo apenas: fim. Escreveria / sempre? Não sei. O poema terminou. /... escrevo no papel, .../ E nem sei porque escrevo: fim. Que fim?” (Alphonsus Guimaraens filho)

Na arte de fazer existir o fim, ele pode ser o início de nova vida, de transformação; de novo capítulo da história: fim da ditadura, início da democracia; fim da mariposa, transformada em borboleta. Para Lavoisier não há fim. “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.”

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
AVESSO A MÁS NOTÍCIAS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
CONVERSAR com o TEMPO Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):


Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje JUNIOR SILVA