PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 11119
Texto mais lido:
A CIDADE POSSÍVEL - Total: 138
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1402
10 Autores mais recentes...
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
VALDINEI DA SILVA CAMPOS
JOSÉ MARIA AMARANTO
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1615631
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 262395
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 136830
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 113302
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 95197
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 62747
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 36112
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 33352
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 32716
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 30592
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 106
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

DRUMMOND ACOPLADO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

A estátua do poeta saiu torta,
viraram seu corpo para a avenida,
sentado de costas para o mar.
Por isto, a estátua é neurótica
não gosta que cheguem por trás,
principalmente mulheres,
que roçam nas suas costas de poeta,
biquínis amarelos em formato de peitos.
Assim o poeta imagina as presenças e as cores.
Todas empacam para uma foto e riem.
Para sorrir a pedra levaria muito tempo.

O poeta não quer mais agradar,
prefere agora esperar a madrugada chuvosa.
A noite e a chuva ,
vindo das altas luminárias de Copacabana,
garantem com precisão
algo eterno para um olhar poético:
o ponto exato de luz sobre o asfalto,
uma combinação de órbitas,
a estrela que pisca.

E vem do brilho noturno
variações de humor do poeta:
uma sanidade de pedra,
e sorrisos às vezes prosaicos
até da velocidade dos autos:
quando motoristas passam disparados
bêbados
e gritam:
- Viva o Rio de Janeiro!


Do livro: A CIDADE POSSÍVEL

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A ALMA SURDA Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A INVENÇÃO DO FUTEBOL Autor(a):
A LISTA Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN Autor(a):
AMOR ATO VINTE Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZENOVE Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):
AMOR ATO SEIS Autor(a):
AMOR ATO TRÊS Autor(a):
AMOR ATO UM Autor(a):
AMOR VULGAR Autor(a):