ZILDO GALLO

 -  - ZILDO GALLO
Total Visualizações: 23614
Texto mais lido:
BEIJA-FLOR - Total: 366
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1058
10 Autores mais recentes...
SALETI HARTMANN
ELIZABETH PEREIRA DA SILVA
ELLENDRA VALENTINE
ONIVAN BARBOSA PANTOJA
ADALTO FREITAS
PERGENTINO JUNIOR
MARIA DO SOCORRO DOMINGOS
PAOLA CAMILA DOS SANTOS ESQUIVEL
SALETE APARECIDA DOS SANTOS
TAMARA SCARLAT PEREIRA DE SOUZA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1037008
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 201738
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 108982
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 74037
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 59976
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 36957
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 24993
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 23614
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 22466
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 21249
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 61
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A mamadeira de manga e o coquinho da macaúba


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Não sei exatamente quando, pois era muito pequeno, só sei que aprendi isso quando morava no meio rural no município de Borborema (SP) no início dos anos 60 do século passado. A meu ver, trata-se de um aprendizado extremamente útil, algo que se aprende quando se mora no sítio: como chupar manga sem se lambuzar, aproveitando o máximo da fruta, sem o auxílio de facas e garfos. A cidade passa ao largo de tais conhecimentos, pois, principalmente nos dias de hoje, encontra-se muito distante da natureza e dos seus ciclos naturais, incluindo aí o conhecimento sobre a época de cada fruta. No caso da manga espada, que considero a mais saborosa, mas que tem o inconveniente do excesso de fiapos, considero que o método é o mais adequado.

O método é bem simples, simples mesmo, denominei-o MAMADEIRA DE MANGA, é assim: 1) pegue uma manga bem madura, quanto mais madura melhor; 2) amasse-a com relativa delicadeza para que a casca não se rompa; 3) faça um furo na extremidade posterior, o suficiente para que o caldo saia; 4) chupe o caldo pelo orifício; 5) continue amassando, delicadamente, e chupando enquanto notar que ainda existe polpa chupável. Funciona e quando terminar, o caroço pode ser dispensado com a casca. Todavia, quando criança, mesmo quando adotava o método, não dispensava o caroço e aí lambuzava-me todo. Não tenho na memória lembranças de não chupar o caroço. Chupar o caroço da manga é pura diversão, ou não?

Outra fruta que me atraía muito no sítio era a macaúba. Trata-se de um coco que possui uma saborosa polpa amarela, com uma castanha mais saborosa ainda. A macaúba é uma palmeira do cerrado, muito comum nos pastos e nas matas do interior do Estado de São Paulo. Trata-se de uma planta bonita e altamente produtiva, cuja castanha, além de deliciosa, por conta do alto teor de gordura, pode transformar-se em biodiesel.

Quando menino, eu era um viciado em coquinhos de macaúba. Vivia pelos pastos a cata de cocos e sempre encontrava muitos, praticamente todos os dias. Extrair as castanhas era muito simples, bastava um martelo e uma superfície dura para quebrar os coquinhos, só isso... Na minha infância, a última vez que comi macaúba no sítio foi inesquecível porque também foi uma experiência muito dolorida. Olha a macaúba aí, gente!

Às vésperas de mudar-me do meio rural borboremense, eu estava quebrando macaúbas no quintal em cima de uma pedra, que estava colocada próxima do meus pés. Estava agachado, solitário, quebrando cocos e devorando-os em seguida, uma atrás do outro. Num dado momento, errei a martelada e acertei o meu dedão do pé esquerdo. Ainda hoje tenho a memória da dor. Mudei-me para Americana (SP) alguns dias depois. A unha enegrecida foi cair na minha nova cidade.

Na minha infância, voltei apenas duas vezes a Borborema e, é claro, comi macaúbas. Depois disso, só depois dos meus trinta anos de idade, saboreei novamente as castanhas memoráveis. Da vida no campo, que ficou muito distante no tempo, guardo recordações muito agradáveis. Entre elas, as relativas às mangas espada chupadas na forma de mamadeiras e às dos coquinhos da macaúba, extraídos a marteladas, um a um, ocupam lugares especiais nas prateleiras da minha memória.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de ZILDO GALLO:
(RE)(IN)VOLUÇÃO: grandes almas Autor(a):
A árvore de beija-flores, o sabiá distraído, o gavião certeiro e o gambá do meu condomínio Autor(a):
A conversão de São Francisco: uma loucura divina Autor(a):
A empresa do futuro e a produção de valores sustentáveis: ou vai ou racha! Autor(a):
A FOME E O PAPEL Autor(a):
A guerra pela água: Grande São Paulo versus Região de Campinas (2015) Autor(a):
A HORA DA AVE MARIA Autor(a):
A HUMANIDADE ASSOMBRADA Autor(a):
A INCRÍVEL SAGA DO PEIXE BOTINA Autor(a):
A LUA E O MAR Autor(a):
A mamadeira de manga e o coquinho da macaúba Autor(a):
A MENINA QUE PASSAVA Autor(a):
A moralidade do mercado ou para quem o crime compensa Autor(a):
A origem mítica do nome da cidade de Atenas (Grécia): um tributo à agricultura Autor(a):
A OUTRA GUERRA Autor(a):
A POESIA (o poeta e sua sina) Autor(a):
A POESIA (o poeta e sua sina) Autor(a):
A PROCURA DO POETA Autor(a):
A riqueza e a diversidade: uma discussão sobre o valor das floresta na economia de mercado Autor(a):
A sonda New Horizons, o rebaixamento de Plutão, o rapto de Perséfone e o Tarô Mitológico Autor(a):
AFETOS ABORTADOS Autor(a):
AFIRMAÇÃO (Smithiana mão invisível) Autor(a):
ÁGUA PARA TODOS Autor(a):
ÁGUA: UM POEMA À CONSCIÊNCIA Autor(a):
ÁGUAS DE OUTUBRO (via crucis) Autor(a):
ALÉM DAS SOMBRAS DA CAVERNA Autor(a):
ANÉIS DE SATURNO Autor(a):
ANTAGONISMOS Autor(a):
AO MINEIRINHO POETA Autor(a):
ÁRVORE SECA Autor(a):