OSCAR KELLNER NETO

 -  - OSCAR KELLNER
Total Visualizações: 10968
Texto mais lido:
o poeta - Total: 790
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 160
10 Autores mais recentes...
SUELEN LUIZ DE OLIVEIRA
EDENICE SANTOS DA SILVA
LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
DIONILDO DANTAS
VALMIR APARECIDO SAMBO
WALLACE MARINS
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 3568411
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 445153
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 426550
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 414523
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 221698
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 140644
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 127720
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 65507
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 56681
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 55813
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 344
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

DE CHÁS E ONÇA - DO LIVRO "A REVOLTA DAS TAMPAS - A ONÇA NO QUINTAL"


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

I - de chás e onça


Na horta, bem mais adiante dos agriões e maracujás, sempre margeando o riachinho, um garoto podia se perder num verdadeiro intrincado de angélicas, avencas, samambaias e taiobas.
Detalhes quem conta é a dona Lucimília: - Nós as co-lhemos, todas as semanas. Folhas e raízes. (Ela prepara as folhas de taioba como se faz com as da couve, enroladas com suficiente aperto, depois cortadas em rodelinhas miúdas, em que se verte limão, o azeite e o sal, para comer crua, ou se refoga, com o alho, a cebola e outros temperos, pra comer afogadinha. Dela se come ainda o tubérculo cozido, como se faz com as batatas.)
Dizia a cozinheira: - Essa aí não só alimenta como ajuda a combater doenças do fígado. (Sim, também, depois da cocção, a raiz, espécie de batata comestível, pode ser amassada e misturada a uma farinha, no preparo de um tipo de pãozinho assado que o povo aprecia demais. Por ali a taioba é muito respeitada. Às vezes, dona Lucimília amassa suas folhas para cobrir feridas expostas. Também nos casos de tumores, aquece as folhas socadas num pilãozinho e as coloca, mornas ainda, cobrindo todo o inchaço.)
- A raiz ralada crua tem efeitos cicatrizantes e, cozida, ainda quente, em emplastos, alivia dores reumáticas – ensina dona Lucimília. Essa raiz, a “batata” da taioba apresenta escamas e gemas das quais nascem novas plantas.
Contudo, dona Lucimília, que sempre divulgava a planta abençoada, e dá mudinhas dela pra quem lhe pede, nunca permitia que as crianças fossem sozinhas ao recanto das taiobas. Dizia-lhes que já encontrara por ali, no quintal, uma solitária Onça-Pintada, tal jaguar, tão temida por todos, devoradora de gente, mascando folhinhas de ervas, perto das águas. Achava que aquilo que o bicho mascava para apurar o suco até fossem umas sementinhas de alecrim-de-cheiro, o de flores azul-violeta, a-mor-de alívio de sarna. Ou seria pra alívio de seus espirrados atchins? Pois que o povo saiba: esses frutinhos simples e secos do rosmaninho, com suas mínimas e aderidas sementes melíferas, possuem várias propriedades cosméticas e medicinais e ainda se indicam para tempero culinário.
[A mulher sente de longe o ronronar do fascinante felino quando ele, vibrando os músculos de sua laringe, produz o característico ruído que as mães selvagens costumam fazer exclusivamente enquanto cuidam de seus filhotes. Já seu esturro, ela sabe, é uma vocalização de saudação, exclusiva das grandes espécies felídeas, com um som semelhante ao de um espirro, utilizado como cumprimento entre animais amigáveis.]
Dona Lucimília, quitandeira de forno e fogão, pumzemplo, costuma barrer o forninho de barro da varanda-de-fora, após aquecido com a queima da lenha em seu interior, com uma vassourinha feita com uns ramos de alecrim colhidos na hora, deixando a cúpula assadora impregnada com uma essência cuja virtude perfuma as roscas, quitandas ou carnes ali assadas. Costume antigo na roça.

O emaranhado das angélicas e samambaias margeando o riozinho e o folhedo atapetando o solo poderiam de fato esconder até animais miúdos, além de cobras e lagartos. - Mas uma onça?! Os moleques disso duvidassem, em reinação.
Dona Lucimília afirma que o chá da angélica cura a histeria, certo achaque de terror pânico, em que o corpo padece por causa de uma desregulagem da ideia.
Sustenta ainda que a planta fortalece o estômago, é tônica, depurativa e, em casos de febre, provoca o suor. Sim, segundo ela, a odorífera angélica possui olhos e óleos essenciais e angelicina e, pelo que diz, tem lá suas propriedades medicinais contra tais males psicodélicos.
Quando lhe perguntam sobre a pantera, dona Luci es-clarece que ela mede cerca de metro e setenta de com-primento, pesando uns 120 quilos, e que tem o corpo com manchas negras, amarelado no lombo e branco na barriga. Uma pintura artística, semelhasse. E que é realmente uma Onça-Pintada, espécime felina ameaçada de extinção, completou, emendando ainda que, de vez em quando, pode-se ouvir bem ali pertinho seu urro. Ela conta ainda que esse rugido de alta sonoridade, é comumente usado em disputas territoriais. E que sua capacidade de rugir vem de sua laringe e o hióide, - pequeno osso em forma de ferradura situado na parte anterior e média do pescoço, entre a base da língua e a laringe, - especialmente adaptados para este fim.
Diz que ela consegue produzir sons de "escarrada", "chiar", rosnar e miar. Os três primeiros são usados num contexto agressivo, podendo indicar posturas defensivas e de ataque contra espécies diferentes ou em disputas entre a mesma espécie. O miado é usado como um chamado de curta distância, normalmente entre a mãe e os filhotes, ou como um chamado de média distância durante a época de acasalamento. Também é comum ela produzir sibilos e silvos em variadas situações.
Fala ainda que, como outros felídeos, a Bela Protetora possui vibrissas, uns como "bigodes" altamente sensíveis fincados profundamente dentro da pele do focinho que lhe fornecem informação sensorial a respeito de qualquer movimento mínimo do ar, sendo muito úteis na caça noturna.
Ficava até mais crível a existência do bicho pintado zanzando por ali, com tantos pormenores fornecidos pela mulher....

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de OSCAR KELLNER NETO:
10º CAIS Autor(a):
ACUADOS Autor(a):
ACUADOS Autor(a):
ANGÚSTIA AZUL Autor(a):
ANTICANTO Autor(a):
ANTIPEDRA Autor(a):
CANTO DE BUSCA Autor(a):
CASULINA Autor(a):
CIGANA Autor(a):
CRAVO DE FERRO Autor(a):
CRAVO DE FERRO Autor(a):
DE CHÁS E ONÇA - DO LIVRO "A REVOLTA DAS TAMPAS - A ONÇA NO QUINTAL" Autor(a):
DESCAMINHO Autor(a):
DESENCANTO Autor(a):
do mágico & seu aprendiz Autor(a):
Do mágico & seu aprendiz Autor(a):
FELINA Autor(a):
FONTE Autor(a):
gravuras digitais Autor(a):
http://oscarkellnerneto.blogspot.com/2015/ Autor(a):
INCIDENTE Autor(a):
ISCA Autor(a):
MAGIA CREPUSCULAR Autor(a):
MANHÃ Autor(a):
MINUTO JUNINO Autor(a):
O JUIZ (do livro O JUIZ E OUTROS CONTOS) Autor(a):
O PERSONAGEM Autor(a):
o poeta Autor(a):
O SACO (do livro O JUIZ E OUTROS CONTOS) Autor(a):
OLVIDO Autor(a):