TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 7443
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 277
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 203
10 Autores mais recentes...
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2587154
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 330052
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 234019
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 126714
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 125961
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 119331
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 114356
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 48033
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 42292
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 42174
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 67
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A arte da Escolha


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Nem sempre estamos dispostos a escolher entre isto e aquilo. Pensamos duas vezes antes de escolher, que é a ação, a postura ou a palavra que podem deixar a vida em estado de ternura ou não.
As escolhas e as diferenças temperam a vida. As preferências, por vezes, são atitudes limitadoras, por isso, é fundamental perceber o que está ao nosso alcance e em nossas mãos, na maneira como reagimos. Pois, quando há equilíbrio na escolha é que começamos a entender a arte de viver. Cacaso reflete, “... Quero a palavra que traduza / a medicina dos anjos, / a virgindade anterior ao pensamento. / Quero a nuvem que me habita, / não / sua forma profanada”.
A arte da escolha está em examinar o que há de relevante em nossa vida; avaliar nossas opções, sem paixão, e indagar: o que está sendo decidido hoje? O que é certo para o momento? Cortar o cordão dos valores, ideais e sonhos, ou não? Ao nos reconhecer enfrentamos as verdadeiras intenções da nossa alma, como expressa Cláudio Schuster, “Não há tempo a perder / fica comigo / depois / é um tempo / que não existe / é um lugar triste / porque não é um lugar // depois / é o amanhã que não há // dói tanto / que nem sei / dói tanto / que esqueci”.
Vários são os momentos em que nossos instintos gritam por uma decisão, e nos fazem repensar por uma escolha melhor, mas, muitas vezes, o que nos falta são argumentos para nos defender da escolha tomada.
Na hora em que nos questionamos para definir o certo e o errado; o claro e o escuro; o sim e o não; deparamo-nos com situações misteriosas, onde nos escondemos. Para nossa ajuda escolhemos nos desarmar dos preconceitos e identificar não apenas o que somos, mas o que seremos. Assim, atuar de modo objetivo para fugir das crenças e mitos em relação ao novo caminho.
Na medida em que aceitamos encarar o novo com segurança, carinho, respeito e, principalmente, diálogo, estamos prontos para buscar as nossas respostas. Segundo Orides Fontela, “Nunca amar / o que não / vibra // nunca crer / no que não canta”.
Ao nos prender em convicções sólidas e amorosas, reconhecemos que a arte de escolher não é ilusão, mas, a força do nosso caráter, que nos assegura na hora de decisão. Assim, renovamo-nos e ocupamos o nosso espaço; fazemos a diferença entre os iguais, crescemos à sombra da escolha para alcançar a luz - no melhor sentido - que ainda nos aguarda em mistérios. Para Orides Fontela, “Esconder (esquecer) / a face // soterrar (ocultar) / a luz // escurecer o / amor / dormir. // Aguardar o que nasce”.
Desvendamos o novíssimo. Até que ponto escolhemos o nosso destino? Estabelecemos relações com o silêncio? Com as lembranças, a saudade? Os questionamentos? Os sentimentos? Combatemos o que faz mal ao coração, para revigorar o tempo e acompanhar o nosso ritmo, porque sempre estamos em busca da arte da escolha. Segundo Orides Fontela, “Sempre é melhor / saber / que não saber. // Sempre é melhor / sofrer / que não sofrer. // Sempre é melhor desfazer / que tecer”.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
AVESSO A MÁS NOTÍCIAS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
CONVERSAR com o TEMPO Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):


Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje JUNIOR SILVA