TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 7444
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 277
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 203
10 Autores mais recentes...
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2587293
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 330059
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 234021
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 126719
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 125971
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 119332
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 114358
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 48034
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 42293
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 42176
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 68
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

DOR


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Minuciosamente, a dor chega ao meu corpo, tomando conta do pensamento, do tempo e da espera, compondo a cena em detalhes. Dependo da minha fragilidade e me sinto invadida pela tempestade em incontáveis dias de dor. Como posso sentir tanta dor se estou tão ocupada para repassá-la ao corpo? Como posso lembrar as boas passagens? É complicado! A vida tem faces que se mostram no desatino da dor. Sobrevivo à dor e a identifico como infame realidade. Encontro O Conhecimento da Dor de Carlo Emilio Gadda, publicado como folhetim entre 1938 e 1941 e, em livro, em 1963. O romance permite duas leituras, uma psicanalítica e outra linguística.
Penso que não tenho tempo para nada, mas, quando a dor se manifesta, paro tudo e me fecho em mim mesma. Sinto que o tempo transcorre em câmara lenta: não leio, não durmo bem e não me queixo. Deito ou sento confortavelmente (??) e espero a dor passar.
Depois, sinto-me inútil por ser física a dor! Não é como a dor da saudade, quando basta olhar a fotografia para amenizar o sentimento que chega com a lembrança. Aonde eu vou tenho a dor por companhia; como dizem as crianças, “dor doída!”.
Não espero a certeza do tempo presente, pois, da primeira a última linha é a dor que vigora. É processo continuado; praia sem sol; rotina quebrada; flor sem perfume; amor sem sexo; paisagem sem cor; livro fechado; batom sem brilho; lua sem luz; viagem cancelada. Esses momentos os dias limitados parecem acerto de contas. Estratégia para sobreviver ao não poder escrever e não dirigir, apenas olhar para o vazio e ouvir Moments of Loves – músicas do final dos anos sessenta, para me distrair e driblar o sofrimento, fugir da tristeza do rosto de quem me cuida e ama.
De quantas dores somos feitos? Grito pela percepção da dor e retorno em lamentações. Cuido para a palavra “ansiedade” não tomar conta de mim. Compartilho em mim a dor, mas, o que realmente importa é cuidar da inquietude, para enfrentar a situação com coragem, que o meu tempo se revela sombrio na imobilização.
Preciso ouvir e reconhecer a voz sussurrando a dor; nela alio o humor e o pensamento. Às vezes, sou a dor contida nos gritos. Não sou heroína, sou apenas a palavra de hesitação à espera da recuperação. Procuro brechas para esquecer um pouco a dor, e encontrar a palavra para cruzar a fronteira entre o dito e o revelado, pois, minha vida está de ponta cabeça, num mundo do avesso.
Falo sobre a dor para exaurir a verdade sobre o meu corpo, mostrar a minha existência em repetidos dias. Como revela o livro “Certeza do Agora” de Juliano Garcia Pessanha, “A vida do homem é o instante onde o mundo, em vão, se ilumina”.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
AVESSO A MÁS NOTÍCIAS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
CONVERSAR com o TEMPO Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):


Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje JUNIOR SILVA