TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 5471
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 249
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 193
10 Autores mais recentes...
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2223461
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 302836
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 198036
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 116834
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 107179
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 96415
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 69548
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 43723
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 38815
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 38624
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 76
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

JOGO DA VIDA: SEI DO MEU TAMANHO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

JOGO DA VIDA: SEI DO MEU TAMANHO
por Tânia Du Bois

Na feira do livro, reunidos para o cafezinho, a professora Suzana Einloft disse: “sei do meu tamanho”; sua realidade viva. É abrir as cortinas quando reconhecemos o “nosso tamanho” diante das situações. Também, autossuperação ao não espalharmos a fronteira construída de acordo com as nossas possibilidades e potencialidades, dentro do que percebemos. É o melhor que pode acontecer e, também, pode ser o pior, porque é o abrir as cortinas para o mundo, sacudindo a mesmice do momento. Para Getúlio Zauza, “... Tudo depende da consciência e seu alcance; / é preciso ser mais veloz do que a luz / e ser capaz de percebê-lo num relance...”
Chegado o momento em que, para desenvolver o pensamento e atingir os objetivos, precisamos do olhar diferenciado; do desejo de nos revoltar nos momentos em que abrimos a cortina e nos fazemos valer pelo “nosso tamanho”. É o retrato dos momentos em que rompemos com a rotina e nos renovamos, para sermos nós mesmos; nós e a nossa bagagem cultural, que representa o “nosso tamanho”, nem que seja para não passarmos despercebidos até que ressurjamos para atingir novas etapas, como exemplo de permanência. Nas palavras de Eduardo Alves da Costa, “...concentro-me olhando a vasta porta; / e à medida que avanço, decido / mais estreita me parece a abertura...”
É momento único o reconhecer o “nosso tamanho” como processo de liberdade de expressão, como base fundamental da importância de cada um sobre a preocupação literária e cultural, que paira sobre todos que rondam o processo criativo e promovem transcendências para mudar o âmbito das conquistas. Não trato da exatidão dos conteúdos, mas da linha para pensar que na vida “real” não há nada mais forte e mágico do que sermos nós, em nosso tamanho. Lou Albergaria retrata, “... Sim, você pode dizer / o que percebe / daí o seu mundo de superfícies / q’eu tô tão lá no fundo / de tudo / que até duvido, na verdade / se você aí fora existe...”
Revela a professora Suzana Einloft a preeminência no “sei do meu tamanho” que, ela completa, desperta crescente atenção ao explicar, sinteticamente, quais são seus limites de conhecimento, suas necessidades, inquietudes e anseios em relação à literatura como cultura. Manifesta-se ao revelar o que pensa e sente, para se elevar no nível mais alto e lá permanecer em cada movimento cultural de conhecimentos literários, que encontramos e criamos como símbolos do tempo. Como em Lou Albergaria, “A grife Hilda Hilst anuncia / camisetas e canecas e / até 3 vezes sem juros! // Entretanto / poesia é só à vista / e / é preciso coragem / pra vestir (em si mesmo) o gato morto.”

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):
ENCONTRO AMARGO Autor(a):
ESTANTE Autor(a):
EXÍLIO Autor(a):