TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 5469
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 249
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 193
10 Autores mais recentes...
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2223458
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 302836
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 198036
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 116834
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 107179
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 96415
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 69547
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 43723
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 38815
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 38624
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 242
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A casa


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

A casa combina e contém o estilo de cada pessoa, para satisfazer o gosto e as necessidades encaixadas como peças de jogo de armar: transforma-se em lugar único, onde o sonho concretizado se torna lembrança e história em minha vida. Encontro em Pedro Du Bois o livro A Casa Diversa, “A casa em silêncio / guarda o sentido e a lembrança. //... a casa recolhe o silêncio dos que foram o passado não resolvido no esquecimento...”; em Agostinho Both, o seu primeiro romance, 1990, Para Onde Vão Nossas Casas.
Na casa do tio Nilo, após o seu falecimento, encontrei em seu armário textos com poemas de Aparício Silva Rillo – poeta gauchesco, humorista e autor do livro Rapa de Tacho – em que senti novas cores como se fosse novo ambiente. Transformada pelo esplendor do poema Herança, visto ter sido escrito há cerca de quarenta anos, senti o incomum encontro: as marcas da passagem do tempo e a saudades “daqueles tempos”, como na sua poesia, “Naqueles Tempos. / Sim, naqueles tempos / as casas já nasciam velhas. / Eram cálidas... // mostravam-se nuas, / abertas em janelas que espiavam / da sombra verde para o sol das ruas. // Naqueles Tempos./ Sim, naqueles tempos / tinham balcões e sacadas essas casas / e úmidos porões e sótãos com fantasmas //... Naqueles Tempos / sim, naqueles tempos / as portas eram altas / e alto o pé direito das salas dessas casas. / Mas eram simples as pessoas que a casa abrigavam. // Naqueles Tempos. / Sim, naqueles tempos //... Somos guardiões de casas velhas / almas de sesmarias e de estâncias, / paredes que suportam seus retratos...”
Rillo ao poetizar mostra o quanto de lembranças renasce no silêncio da casa e a saudade decomposta pelo tempo faz mergulhar no passado, o que me remete à profundeza da casa como “herança” contada como fendas que ressurgem em minhas linhas de significados.
Concretizo a casa em palavras de contida história, onde a liberdade fica aprisionada quando nela entro, fecho a porta e apago a luz. Então, traço caminhos e imagino descobertas, como morar na cidade grande e esquecer a hora de voltar para casa: o progresso retrata a casa e desse encontro surgiu o livro A Concretude da Casa, de Pedro Du Bois, “A casa esconde segredos entrevistos / em personagens acorrentados aos dias; //... A casa exige explicações das palavras recebidas: ameaças circunstanciadas / em troca de ideias. / despenca na sala o quadro. / Atrasa o relógio da cozinha”.
A casa é o espaço onde me reconheço; nela fico quando busco pela minha morada. É âncora na certeza de dias ensolarados. Ainda hoje me surpreendo ao ser levada pelo silêncio da casa, como herança em que se acumulam recordações que se desfazem nos amanheceres, porque me sinto angustiada com a realidade que se apresenta áspera e, ao mesmo tempo, revivo a memória com a saudade de me ver refletida nos sonhos dos antepassados. Como em Pedro Du Bois no livro A Casa em Procuras, “... ter a lembrança da primeira casa na idealização / dos sonhos permitidos e deles retirar os olhos / ampliados em pensamentos aleatórios dos caminhos...”, e, em Carlos Drummond de Andrade, “... A casa tem muitas gavetas e / papéis, escadas compridas. / Quem sabe a malícia das coisas, / quando a matéria se aborrece?...”

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):
ENCONTRO AMARGO Autor(a):
ESTANTE Autor(a):
EXÍLIO Autor(a):