Total Visualizações: 488
Texto mais lido:
A chácara do Chico Bolacha - Total: 130

Amigos Recentes

630 PEDRO PAULO DA SILVA MEDEIROS285 ALEXANDRE BRUSSOLO1287 DENIS BRAGA QUINTANILHA1265 GIVA BASTOS1294 VALKIRYA DA SILVA LIMA1252 ISABEL NETTO874 LUCIMARA CACCIA FAVERSSIANI497 ANDRÉ SOSKA
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo MARILEUZA RODRIGUES 875
Todos os textos de: MARILEUZA RODRIGUES O ZANATA
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A Coruja e a Águia


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

A coruja e a águia
Coruja e águia, depois de muita briga resolveram fazer as pazes.
— Basta de guerra — disse a coruja.
— O mundo é grande, e tolice maior que o mundo é andarmos a comer os filhotes uma da outra.
— Perfeitamente — respondeu a águia.
— Também eu não quero outra coisa.
— Nesse caso combinemos isso: de agora em diante não comerás nunca os meus filhotes.
— Muito bem. Mas como posso distinguir os teus filhotes?
— Coisa fácil. Sempre que encontrares uns borrachos lindos, bem feitinhos de corpo, alegres, cheios de uma graça especial, que não existe em filhote de nenhuma outra ave, já sabes, são os meus.
— Está feito! — concluiu a águia.
Dias depois, andando à caça, a águia encontrou um ninho com três monstrengos dentro, que piavam de bico muito aberto.
— Horríveis bichos! — disse ela. — Vê-se logo que não são os filhos da coruja.
E comeu-os.
Mas eram os filhos da coruja. Ao regressar à toca a triste mãe chorou amargamente o desastre e foi ajustar contas com a rainha das aves.
— Quê? — disse esta admirada. — Eram teus filhos aqueles monstrenguinhos? Pois, olha não se pareciam nada com o retrato que deles me fizeste…

Moral da história: Para retrato de filho ninguém acredite em pintor pai. Já diz o ditado: quem ama o feio, bonito lhe parece.
Em: Fábulas, Monteiro Lobato, São Paulo, Brasiliense, s/d, 20ª edição.
CONSTRUINDO O SENTIDO DO TEXTO

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 3
[ 6 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 A Coruja e a Águia 3 18/06/2019
0 A história do Pai Natal e da noite mais mágica do ano 88 04/12/2018
0 A chácara do Chico Bolacha 130 27/09/2018
0 O REFORMADOR DO MUNDO 95 19/09/2018
0 O LEÃO E O MOSQUITO 89 04/09/2018
0 A maior mentira de Chicó 83 28/08/2018