Total Visualizações: 114010
Texto mais lido:
Música (T2941) - Total: 1899

Amigos Recentes

1121 THALYA SANTOS133 MAURINY BATISTA622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO613 SEDNAN MOURA548 CLAUDIANNE DIAZ564 MICHELE STRINGHINI593 IVANILDE APARECIDA VAZ537 BENTO JUNIOR
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo ALEXANDRE BRUSSOLO 285
Todos os textos de: ALEXANDRE BRUSSOLO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A Era da Incerteza (R30)

Há muito tempo o homem com sua sede de aprender e ampliar seu horizonte de conhecimento, vem, criando novas ciências de estudo e pesquisa, e isso não foi diferente com a Economia.
Existe muito sobre os criadores dessa ciência que, tanto em períodos passados como nos tempos atuais ela é tão essencial para se entender o que acontece dentro do mundo, tanto capitalista como socialista.
É relevante frisar que foram muitos os estudiosos neste campo, alguns até conhecidos como profetas , devido às suas visões futuristas, como a adivinhar o que seria do mundo em tempos que estavam ainda por vir.
Um dos primeiros, e talvez por ser o primeiro pode-se considerá-lo como fundador dessa ciência , ou se preferir , como Galbraith a chama , "arte", foi Adam Smith. Adam era um escocês nascido, ou pelo menos batizado, na pequena cidade portuária de Kirkcaldy, no ano de 1723. Estudou nas melhores escolas tendo uma formação e uma carreira impressionantes. Para ele "importante era que as pessoas fossem livres para procurar o trabalho ou exercer a profissão que lhes recompensassem por seus esforços."
Como é de se esperar, nos primórdios do século XVIII as fontes de riqueza estavam concentradas mais nos campos , e por sinal, foi uma das coisas que chamaram a atenção de Smith, principalmente a França. Era lá que a fé agrícola estava no auge e também onde se deu o surgimento de um grupo de filósofos conhecidos como os fisiocratas. Afirmavam eles "que toda a riqueza provinha da agricultura" , claro que o comércio e a indústria eram necessários, porém estéreis , isto é , não propiciavam o lucro que a agricultura fornecia. Ela , a agricultura , era a indústria básica, ou melhor, a única indústria de base.
Smith dava muita importância à eficiência da especialização, onde até descreve a divisão da mão-de-obra , em um exemplo muito bem colocado, talvez por ter vivenciado tal fato na fabricação de alfinetes, o que nos leva a crer que a produção em série não foi inventada por Henry Ford. Novamente enfatizaremos que Smith defendia a livre iniciativa , sendo o Estado um velho inimigo dessa liberdade, mas não era só ele que constituía a única ameaça , mas os homens , ou empresários , eram uma ameaça à sua própria liberdade de ação, segundo Smith "pessoas do mesmo ramo raramente se reúnem , até mesmo para se divertir , mas quando o fazem a conversa termina numa conspiração contra o público , ou então, num concluio para aumentar os preços."
Após a morte de Smith em 1790 muitas coisas começaram a mudar, as pessoas eram atraídas dos campos e dos vilarejos para as cidades, havendo até a expulsão, de pessoas, do campo em consequência da crescente demanda da principal matéria-prima da indústria que era a lã.
Essa demanda de pessoas do campo para a cidade é devido a Revolução Industrial que não foi súbita e nem violenta , mas foi algo que se pode ver e sentir.
Depois da morte de Smith vieram Ricardo e Malthus.
Malthus dizia que o aumento populacional aumentaria geometricamente enquanto a alimentação aumentaria apenas aritmeticamente , resumindo a população aumentaria mais que a alimentação o que acarretaria na fome, na guerra ou numa catástrofe natural. Já para Ricardo tudo se reduziria a um simples processo de subsistência , com muita concorrência na procura de emprego ou trabalho de um lado, e de comida de outro lado.
Já estava em decorrência os problemas que a sociedade deveria enfrentar futuramente e que já vinham sendo previstas pelos mártires da economia. O capitalismo já batia às portas de noso planeta . Já no século XIX suas idéias não estimularam o conceito de uma comunidade igualitária. Havia muitas diferenças entre os donos das terras , que eram ricos e oes lavradores que eram pobres e continuavam pobres.
Houve um escritor, que por sinal foi o pioneiro da sociologia , que disse uma frase interessante: "sobrevivência do mais forte". Ele tornou-se um evangelho porque se ajustava às necessidades e anseios do capitalismo, seu nome era Herbert Spencer.
Um fato interessante é como os ricos tornaram-se ricos ou como venciam na vida. Alguns eram homens sem escrúpulos, como foram Cornelius Vanderbilt e Jim Fisk pela luta do monopólio do serviço ferroviário. De fato foi uma briga inescrupulosa, com subornos e tudo o mais que a imaginação pode criar. É esse talvez o espírito capitalista onde como já foi dito , só os mais fortes ganham , ou melhor , sobrevivem.
Temos sem dúvida coisas escritas sobre os ricos , como é o caso de Thorstein Velblen que ridicularizava o rico e sua forma de viver, que com tudo era indiferente à miséria , gastando sua fortuna de modo irrecomendável e acumulando riqueza de forma pouco recomendável, mas era a vida deles, não se podia fazer nada, uma vida de luxúria e sortilégios. Velblen escrevia sobre eles ridicularizando e comparando as sua formas de serem às dos primitivos, com todas as cerimônias e rituais.
Em oposição a toda esta maquinaria capitalista temos em grande destaque nada mais nada menos que Karl Marx. Ele acima de tudo foi um revolucionário , e porque não dizer um socialista nato, um dos mais erudito filósofo político de sua época.
Marx desde cedo foi conhecido como um brilhante jornalista. Karl Marx como todo revolucionário era temido, principalmente pelos capitalistas que interpretavam mal as idéias socialistas dele, que só queria um mundo de igualdade onde todos teriam os mesmos direitos , o que era uma afronta ao mundo capitalista . Depois de seus manifestos ter Marx por perto podia acarretar em perigo eminente, devido às suas idéias revolucionárias, sendo que já sofria grandes perseguições e reprimendas.
Se ele teve seguidores é uma coisa que não devemos contestar, pois muitos o seguiram e se espelharam nele, um dos exemplos é Lenin, como todos o conheciam e ainda hoje o conhecem. Como Marx também Lenin era um revolucionário e um socialista e também foi perseguido.
As idéias até aqui acompanhadas não são aplicáveis àqueles países que apresentavam uma dependência colonial, como era o caso da Índia, da China, do Oriente Médio, da África, da Ámérica Latina e da Europa Oriental. Talvez o subdesenvolvimento de alguns desses países deve-se ao fato dessa colonização, principalmente às de exploração.
Voltando ao cenário capitalista vamos ter também a história do dinheiro, tanto sua ascensão como sua queda. O dinheiro torna-se uma das grandes incertezas da vida . O dinheiro surgiu e veio substituir um sistema de trocas de mercadorias, mas no início era muito primitivo o tipo do sistema que usaram para o dinheiro, claro, tudo que é criado à primeira vista é imperfeito e com o passar do tempo se aperfeiçoa. Com o surgimento do dinheiro em sincronia apareceram os bancos , mas este não foi tão rápido assim, foi bem depois, e seu início foi também em meio a grandes agitações e bagunças, além de falências, que eram muito comuns na época de seu aprecimento. A história do mundo monetário é um tanto complexo e porque não dizer confuso.
Depois da Primeira Grande Guerra muitas coisas mudaram, algumas para melhor outras para pior, essas mudanças foram os abalos das antigas certezas. Enquanto na Europa a Primeira Guerra Mundial abalou fortemente, nos Estados Unidos o abalo veio através da Grande Depressão que se espalhou por todo o mundo.
Durante a Grande Depressão havia muito desemprego e miséria e após a Segunda Guerra Mundial um "grupo de jovens economistas resolveu obter a sanção do Congresso à idéia de um planejamento governamental, a fim de manter-se todo mundo empregado." Foram bem sucedidos .
Com o término da Segunda Guerra Mundial teve início a uma outra guerra, não armada, e sim uma cruzada em favor dos valores morais. Mas não era só misso a Guerra Fria também foi um joguete entre os dois protagonistas desta guerra, Estados Unidos e União Soviética, e mais as indústrias bélicas.É engraçado o tipo desta guerra onde parece que há um acordo entre os países e a indústria armamentista, onde sempre há a mudança dos materiais bélicos a partir do momento que ficam ultrapassados, mesmo que não tenham sido usados eles são substituídos pelo que existe de mais moderno, o que se torna dispendioso.
Um fator importante nessas épocas de mudança foi o aprecimento das multinacionais. É uma organização muito bem disciplinada, eficaz, empenhada e altamente recompensada, de homens que atuam sob ordens de um dirigente dinâmico, o que fez delas um mito.
Uma coisa que sempre caminhou junta foi terra e gente. Existe muita terra vazia improdutiva, mal trabalhada , e o que contribui para isso é a grande demanda das zonas rurais para as zonas urbanas, para trabalharem nas indústrias, alimentando o sonho de serem felizes e ampliarem suas rendas melhorando suas condições de vida, mas sabe-se que isso é pura ilusão.
Vale salientar ainda que há quatro tipos diferente de cidade: o Domicílio Político, a Cidade Mercantil, a Cidade Industrial e o Campo.
O Domicílio Político através de sua suntuosidade pretende mostrar o bom gosto de seu governante, onde geralmente a sua magnificência é comentada. A Cidade Mercantil também era o cartão postal de uma cidade , tinha que ser organizada , os comerciantes tinham que apresentar boa aparência . Já na Cidade Industrial tudo cheirava mal, uma aparência de sujeira, de imundície, e os empresários não precisavam ter boa aparência e nem serem gentis ou educados. E finalmente o Campo, que era para onde estes empresários iam para fugir da vida agitada e da poluição das Cidades Industriais.
Isso é uma parte da história que está sempre em andamento, nunca para, o que acontecerá para frente ninguém sabe, principalmente com a chegada da era nuclear, mas "numa era em que tanta coisa é incerta, existe uma grande certeza : essa verdade , devemos enfrentar."
Enfim vivemos num mundo onde tudo se transforma, tudo sofre mudanças. Sempre haverá as revoluções para que seja dado "um pontapé na porta apodrecida". A sociedade ainda está longe de ver uma comunidade justa e igual, é um sonho na cabeça dos defensores socialistas, mas se depender dos capitalistas isso não passará de pura ilusão.
A miséria no mundo devido a alta desdigualdade social, sempre existirá , pois é algo incerto se vão conseguir ou não superar o problema. Mas não é só a miséria, mas também a pobreza é um fato marcante em nossa sociedade de altos burocratas e insensíveis pessoas detentoras das riquezas. Há algo que deve ser feito, sempre há, mas para isso acontecer as classes dominantes têm que se conscientizarem dos problemas sociais que afetam as classes mais baixas. Quando se fala que as mudanças tem que vir de cima deve-se ao fato de que a classe que detém a riqueza também detém o poder, mas talves estejamos longe de tais fatos porque não há interesse dos ricos largarem mão do que eles têm, isso é o jogo dos interesses próprios. Quanto mais o povo for inculto e sem cultura mais fácil é sua manipulação , mais fácil fica persuadí-lo. Mas como já foi dito, haverá sempre alguém que irá contra o sistema, ele será temido e perseguido sofrendo todas as reprimendas possíveis,mesmo que consigam calar-lhe a boca ele conseguirá discípulos em toda parte, que será a colheita dos frutos que ele plantou e assim é, foi e sempre será em qualquer época e lugar. Só como ilustração podemos citar como um grande defensor em tempos atuais dos direitos dos negros na África Nelson Mandella como foi Martin Luther King nos Estados Unidos e Gandhi para a Índia . Como se vê sempre terá estes destemidos defensores de seus povos que sofrem com a opressão das classes superiores.
Pode-se acabar com a pessoa, mas com seu pensamento e sua ideologia não, isto é eterno.


Alexandre Brussolo


Fonte: "A Era da Incerteza" de John Kenneth Galbraith


 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 108
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 Música (T2941) 1899 20/05/2018
0 Esperança (T2940) 39 20/05/2018
0 Finitude (T2939) 36 20/05/2018
3 Estrada sem fim (T2938) 860 30/03/2018
1 Névoas (T2937) 85 30/03/2018
1 Pai, Filho e Espírito Santo (T2936) 79 30/03/2018
2 Deus em mim (T2935) 241 19/03/2018
0 Nosso destino (T2934) 85 19/03/2018
0 Universo (T2933) 82 19/03/2018
1 Sempre aprendendo (T2932) 86 18/03/2018
1 Imaginação (T2931) 83 18/03/2018
1 Construindo poesia (T2930) 83 18/03/2018
1 Força Divina (T2929) 104 15/03/2018
0 Confusão (T2928) 83 15/03/2018
0 Reencarnações (T2927) 89 15/03/2018
2 Habilidades (T2926) 91 14/03/2018
0 Meu ser (T2925) 89 14/03/2018
0 Esperança (T2924) 82 14/03/2018
0 Ser (T2923) 95 13/03/2018
0 Oração (T2922) 79 13/03/2018
0 Jesus ao meu lado (T2921) 85 13/03/2018
3 Herança (T2920) 100 11/03/2018
0 Pecados (T2919) 78 11/03/2018
2 Jesus (T2918) 80 11/03/2018
1 Oportunidades (T2917) 90 03/03/2018
1 Sou assim... (T2916) 75 03/03/2018
0 Insônia (T2915) 102 03/03/2018
0 A poesia de cada um (T2914) 151 27/02/2018
0 Criação (T2913) 83 27/02/2018
0 Vagando (T2912) 81 27/02/2018

Parceria:

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências.