Total Visualizações: 659
Texto mais lido:
O governante - Total: 142

Amigos Recentes

622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO597 ADEMYR OLÍVIO BORTOT1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo FERNANDO DANIEL 2733
Todos os textos de: FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Maldita tempestade


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Choveu tanto, mas tanto, que a roupa amanheceu molhada no varal. Tinha sido uma tempestade nunca antes vista; com vendavais capazes de arrastar pequenas cadeiras de quintais, e derrubar grandes árvores. O chão de terra batida havia se transformado em lama, tudo estava sujo. Geladeiras, mesmo colocadas no alto estavam cheias d’água, água suja que não podia ser reaproveitada.
A enchente assustou a todos. Sempre chovia nessa época na cidade, mas com essas proporções era a primeira vez. As ruas estavam impregnadas de lodo, pessoas corriam tentando salvar o que fosse possível. Tinha gente carregando fogões, geladeiras, roupas; tinha gente carregando gente e gente empenhando-se para sobreviver em meio a tanto caos.
Como eram tristes e desoladores estes cenários. Onde só se enxergava destruição e não se vê nem um pingo de esperança. Mangueiras eram esticas e torneiras foram abertas. Jatos de água limpa, porém, fraca, eram jogados nas calçadas. Moradores esfregavam suas vassouras gastas na expectativa de que aquilo ficasse como antes, mais digno.
Então o céu começou a escurecer outra vez, e um raio riscou o céu. A correria foi grande. As pessoas corriam para salvar o pouco que ainda restava, mas quando o aguaceiro começou nada mais adiantava. E foram lágrimas misturadas com chuva, desespero e gritos misturados com o barulho dos raios e tristeza, mas muita tristeza ao ver que tudo que fora conquistada a custa de muito esforço estava sendo levado pelas águas. E quando o morro veio abaixo e casas foram soterradas a dor foi maior; três crianças, uma com dois anos, outra com cinco e mais uma com sete estavam debaixo da lama, sem vida e sem sorte. Pobre gente, pobre vida, maldita tempestade.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 133
[ 5 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 Maldita tempestade 133 23/07/2019
0 O governante 142 29/03/2019
0 Os anjos 123 28/03/2019
0 Desejo de vingança 130 27/03/2019
0 A Promessa 131 26/03/2019