Total Visualizações: 42400
Texto mais lido:
BAILARINA - Total: 242

Amigos Recentes

1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO385 ANDRADE JORGE477 ADEMYR BORTOT587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT284 MARLI  FIORENTIN3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL444 DRILLY MANFRE
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 190 Todos os textos de: DIRCEU DETROZ
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

UM JUÍZO FINAL


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Assim como cada pessoa que vive no planeta sabe qual será o seu fim, a raça humana no contexto de Humanidade também sabe. Como seres individuais não sabemos de que forma nem quando o nosso fim chegará. O mesmo é possível dizer da raça humana. Não haverá possibilidades de fuga da extinção ou de algo ainda pior, da autoextinção.

Muitas variáveis e teorias são escritas no âmbito da ficção e da ciência. Nossa extinção poderá chegar dos confins do Universo não apenas na forma de uma bola de fogo. Pode ser um simples vírus ou bactéria. Talvez, seu destino nem fosse este planeta. Nós é que fomos buscá-los lá fora. Outra hipótese, é a nossa capacidade de criá-los aqui mesmo.

Seria perfeita uma extinção rápida e limpa. Só que estamos nos antecipando as variáveis dos cenários anteriores, e trabalhando para produzir uma extinção lenta e agonizante. Estamos matando nosso planeta devagar. O ponto que permitia quebrar o conta-gotas já foi ultrapassado. Chegando a bola de fogo, fará estrago num planeta desabitado e morto.

Ao tomar a decisão de escrever o script da própria extinção, num futuro não muito distante teremos que incluir uma nova variável à equação. A população mundial, que saltará de 7,6 bilhões em 2017 para 11,2 bilhões até 2100. Até quando um planeta já moribundo suportará?

Na ficção de “Inferno”, o personagem vilão de Dan Brown criou um vírus que mataria um terço da Humanidade. Stephen Hawking diz que só teremos algum futuro saindo a procura de outros planetas habitáveis. Sonhando, estou sempre viajando na Interprise de “Jornada nas Estrelas”. Acordado, sei que estamos imitando “Mad Max”.

Atualmente somos inundados por enxurradas de avanços genéticos. Num primeiro momento, todos eles parecem maravilhosos com a pretensão de melhorar e prolongar a vida dos seres humanos. Curar o máximo possível das suas doenças. Como será doentio e paradoxal viver saudável um planeta doente.

Por mais algum tempo continuaremos acreditando que estamos protegidos pelos muros da moral, da ética e das crenças. Podem acreditar. Assim como há muros, existe também um submundo. Neste submundo as expectativas dos avanços seguem um caminho totalmente oposto. Não duvidem que este lado esteja recebendo mais financiamentos para suas pesquisas. Essas serão as necessárias quando a hora chegar.

Impossível prever daqui quantas gerações acontecerá. Que acontecerá é certeza absoluta. Para que a Humanidade possa se agarrar aos poucos fiapos de esperança de prologar sua existência, os muros da moral, ética e crença precisarão ser postos no chão. Não haverá outra saída. Muitos serão forçados a morrer para que alguns sobrevivam. Não será como a seleção natural de Darwin. Parecerá um “juízo final”. Nada divino.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 6
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 UM JUÍZO FINAL 6 21/01/2019
0 ESTIBORDO 16 17/01/2019
0 AINDA É ELA 19 14/01/2019
0 ESCOLHA 30 06/01/2019
0 JARDINS 37 01/01/2019
0 HERANÇA NEGREIRA 32 26/12/2018
1 CIRANDAS 19 22/12/2018
0 SURREAL 11 22/12/2018
0 EM MODO EXTINÇÃO 34 17/12/2018
0 DESRESPEITANDO OS MACACOS (Crônica de 2007) 21 15/12/2018
0 ALICE OU FLORBELA (Crônica escrita em setembro de 2012) 16 14/12/2018
0 CAÇADORES DE TRAGÉDIAS 46 10/12/2018
0 PSICOSES 25 07/12/2018
0 MANJARES E DELEITES 21 06/12/2018
0 À ESPREITA 49 04/12/2018
0 MEU HERÓI SETENTÃO 29 03/12/2018
0 ONDAS DO MAR 28 01/12/2018
0 LONGITUDES 34 28/11/2018
0 NOSSA POBRE EDUCAÇÃO 33 26/11/2018
0 ATALHOS 27 24/11/2018
0 PARABÓLICAS 38 21/11/2018
0 DESGLOBALIZAÇÃO 44 19/11/2018
0 O APOCALIPSE EM MINUTOS 32 17/11/2018
0 ESTAMOS CARENTES 23 17/11/2018
0 PERFUME E DELÍRIOS 32 15/11/2018
0 Prisioneiros das Narrativas 40 12/11/2018
0 FLORBELA 24 10/11/2018
0 Coliseus de Ódio 50 05/11/2018
0 SÍNDROME DE PINÓQUIO 47 31/10/2018
0 O VENCEDOR E OS VENCIDOS 52 29/10/2018