Total Visualizações: 262909
Texto mais lido:
Música (T2941) - Total: 2647

Amigos Recentes

2663 LUCONI875 MARILEUZA RODRIGUES O ZANATA1774 PERGENTINO JUNIOR1121 THALYA SANTOS133 MAURINY BATISTA622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO613 SEDNAN MOURA548 CLAUDIANNE DIAZ
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo ALEXANDRE BRUSSOLO 285
Todos os textos de: ALEXANDRE BRUSSOLO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Assassinato sem Crime (R02)


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Aquela manhã acordei com uma sensação sarcástica, uma dor no coração, um frio na barriga.
Não sei o que era, de repente a notícia, a morte de um conhecido, quase primo. O motivo, não sei, mas aquilo mexeu comigo, bateu bem fundo na alma , como se fosse eu um assassino, ou culpado pela sua morte.
A consciência começou a perturbar-me, como assim, morreu , qual a causa da morte, precisava saber, me arriscar a qualquer custo.Por que me arriscar, uma palavra meio infeliz de ser usada , carrega em seu interior a cumplicidade.
Fui ao velório, não sei se pela amizade que tinha ou só para vasculhar. Lá estava a mãe, uma senhora , pele clara , cabelos grisalhos, mostrando o seu tempo de vida, encaracolados, era razoavelmente gorda ou por ser baixa aparentava a obesidade. Chorava muito, ao me ver seu olhar me tocou fundo, foi como se sentisse o impacto de uma faca em meu corpo.
Perto do caixão o pai, olhos vermelhos, expressão de quem já sofreu bastante na vida, também seu olhar foi como uma apunhalada no peito.
Não sabia o porquê daqueles olhares todos para mim, já começava a me sentir mal num ambiente onde minha presença era indesejada. O mais correto, talvez, era sair , mas ainda não sabia a causa da morte, e naquela situação era melhor nem saber.
Fiquei mais um pouco apesar dos olhares dirigidos a mim, mas o destino não me desamparou, eu tinha que saber a causa ce um jeito ou de outro, foi quando escutei "a inveja mata". Aquilo foi pior que um espancamento, algo me afetou, eu precisava sair de lá , respirar ar puro, quem sabe por os pensamentos no lugar.
Minha cabeça girava , doía tanto, parecia que ia estourar,aquela frase me tocava demais. Por que uma frase , uma única e exclusiva frase me tocou tanto.
Eu não tinha inveja dele , ou será que tinha , não sei as coisas estavam confusas. Por que não tive coragem de olhá-lo no caixão, vergonha , mas vergonha do que, as coisas estavam confusas , as idéias se emaranhavam em minha cabeça.
Decidi voltar para casa, não tinha condições de trabalhar, estava suando frio , estava ficando nervoso, em casa pensaria melhor.
Meu Deus , eu não sou assassino, afinal nem crime houve... sobressaltei, bateram à porta , talvez a polícia , era o carteiro, mas e se fosse a polícia , não devia nada , ou será que devia , acho que a loucura tomava conta de mim.
Já anoitecia e a frase , maldita frase, ainda latejava em minha cabeça , me enlouquecia, o silêncio se fazia ouvir, o silêncio é bom, mas às vezes se torna seu carrasco.
Fui me deitarno intuito de acordar um novo homem para recomeçar um novo dia. Finalmente dormi. Sonhei com a frase , com os olhares , com o rosto dele no caixão a me fitar, pedindo por vingança, me amaldiçoando, acordei num pulo, não podia ser, estava ficando louco, "a inveja não mata, deixa louco", o quê?... admitir que tenho inveja, não, ou será que é melhor, sim , para fugir do suplício admita o erro, para ser absolvido admita o pecado e o arrependimento e será liberto. Tudo já clareava. Tudo já entrava nos eixos.
A redenção, a vida , um novo amanhecer, dormi tranquilo.


Alexandre Brussolo (30/11/1994)



 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 78
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 Devaneio (T89) 74 29/11/2008
0 Amor (T109) 92 29/11/2008
0 Desejo de um Monarca (T104) 71 28/11/2008
0 Deus (T70) 78 28/11/2008
0 Desconexo (T68) 53 28/11/2008
0 Descoberta (T31) 56 28/11/2008
0 Depressão (T33) 66 28/11/2008
0 Declaração de um Destino (T07) 71 28/11/2008
0 Crise Existencial (T96) 74 28/11/2008
0 Confissão (T12) 79 28/11/2008
0 Clamando ajuda a Deus (T50) 70 28/11/2008
0 As Sete Sagas (T106) 72 28/11/2008
0 Cinderela (T35) 67 26/11/2008
0 Ciclo Vicioso (T77) 73 26/11/2008
0 Cherry (T54) 64 26/11/2008
0 Cavaleiro Andante (T10) 57 26/11/2008
0 Campo (T28) 72 26/11/2008
0 Busca (R03) 78 25/11/2008
0 Busca (T88) 74 25/11/2008
0 Brasil (T14) 95 25/11/2008
0 Benção aos Homens (T55) 61 25/11/2008
0 Amargura, Tristeza, Agonia, Lamento (T95) 72 25/11/2008
0 Assassinato sem Crime (R02) 78 23/11/2008
0 Baleia, só mais uma vítima (T24) 81 23/11/2008
0 Apocalipse (T45) 100 23/11/2008
0 Apelo dos Animais (T73) 63 23/11/2008
0 Amor (T59) 83 23/11/2008
0 Amor (T16) 78 22/11/2008
0 Amor é Vida (T65) 74 22/11/2008
0 Amazônia (T29) 88 22/11/2008