Total Visualizações: 6897
Texto mais lido:
A ARTILHARIA DA DIREITA (5 anos de artilharia) - Total: 471

Amigos Recentes

622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO1121 THALYA SANTOS587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT477 ADEMYR BORTOT613 SEDNAN MOURA440 ARMANDO MUNIZ POETA444 DRILLY MANFRE3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 202 Todos os textos de: EACOELHO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 1
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

CASULO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

De volta ao conforto da caverna,
Resguardando toda sangria exposta,
Cicatrizando os talhos na minha carne,
Feitos pelas navalhas afiadas dos infames.

Corri mundo e me mostrei ao mundo,
Derramei versos em pétalas pelas alamedas,
Estive nos becos, guetos, praças e calçadas,
Em tudo atirei pérolas e só os porcos deglutiram.

Deitei e me dei em camas e colchas de cetim,
Despejei prazer nas entranhas de fidalgas damas,
Fiz amor com mundanas nos escombros da periferia,
Sempre regando com poesia todo gozo que permiti.

Em momentos me senti e me vi poeta,
Deslumbrei livros enfeitando vitrines luxuosas,
Sofri olhando poemas jogados nas sarjetas em nojo,
Blasfemei o mundo e os mundamos e arrotei mágoa.

Vim buscar a segurança das minhas paredes nuas,
Rebuscar na solidão a recompensa do meu pensar,
Eu sei dos meus versos e os valores das palavras ditas,
Que ofereci ao mundo sem pretensão nem recompensa,
E só recebi um bumerangue arrebentando minha cara.

Refletirei protegido neste casulo tão meu,
Se acresço demagogia nas entrelinhas dos meus textos,
Se jogo o jogo hipócrita das cartas marcadas pela farsa,
Se ofereço meu sangue aos vampiros da multidão,
Se dôo o coração aos dementes conseqüentes da avareza,
Se apenas conforto os insanos oriundos das paixões sem freios,
Ou se apenas jogo versos aos ventos para serem levados ao infinito.

Mas se tempo o urgir e a conclusão me faltar,
Apenas escreverei o que o instinto por si ditar,
E cada poema rebentado em folha branca límpida,
Será amassado e jogado ao espaço em vácuo,
E somente minha memória terá sabido das letras.

EACOELHO

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 205
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
1 A ARTILHARIA DA DIREITA (5 anos de artilharia) 471 03/04/2018
1 CASULO 205 28/12/2011
1 DESIGUAIS 187 26/12/2011
1 NATAL - DOS CORRUPTOS 129 23/12/2011
1 SEM SENTIDO 140 22/12/2011
1 PARA SEMPRE 147 22/12/2011
1 VEM DE TI 134 28/07/2010
1 AVISO AOS HIPÓCRITAS 169 25/07/2010
1 SEJA FELIZ 138 24/07/2010
1 CÉU DA TUA BOCA 189 20/07/2010
1 CORAÇÃO DE POETA 180 20/07/2010
0 MERCADOR DE ILUSÕES 118 09/07/2010
0 CONCLUSÕES 178 09/07/2010
0 A MULHER QUE EU AMO 186 09/07/2010
0 SEM QUERER 112 04/07/2010
0 SEDUÇÃO 120 04/07/2010
0 O QUE FAÇO AGORA 117 02/07/2010
0 RECORDAR É VIVER 102 01/07/2010
0 PERNAS CRUZADAS 109 30/06/2010
0 COPA DO MUNDO - INDUSTRIA DE EMOÇÕES 182 30/06/2010
0 LADRAO DE ESTRELAS 131 30/06/2010
0 ESTRELA CADENTE 145 30/06/2010
0 DIA SEGUINTE 154 30/06/2010
0 CONTROVÉRSIA 161 30/06/2010
0 CATACLISMA 163 30/06/2010
0 APENAS 167 30/06/2010
0 A MULHER DA MINHA ALDEIA 154 30/06/2010
0 A REDE DO MEDO 182 18/06/2010
0 CAIPIRA 183 18/06/2010
0 CONVERSA DE HOMEM 165 16/06/2010