Total Visualizações: 7399
Texto mais lido:
A ARTILHARIA DA DIREITA (5 anos de artilharia) - Total: 511

Amigos Recentes

622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO1121 THALYA SANTOS587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT477 ADEMYR BORTOT613 SEDNAN MOURA440 ARMANDO MUNIZ POETA444 DRILLY MANFRE3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 202 Todos os textos de: EACOELHO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

CAIPIRA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Sou caipira de essência. Caipira da cepa. Sou um brasileiro brasileiríssimo oriundo das misturas de índios, portugueses, negros e bugres. Nasci na cidade por acaso e o acaso me levou de volta ainda criança ao sertão banhado por muito sol, luar, chuva, mato, serra, rádio com antena externa, musica caipira, carroça, armadilhas e roça. Muita roça lavrada com machado e enxada. Trator e fertilizantes não fizeram parte da minha vida caipira. Adubava a horta com bostas recolhidas nas pastagens nos dias de chuva em balaios tecidos de taguara.

Agora até bebo whisky para mostrar que sou moderno, urbanizado, mas gosto mesmo é do cheiro e do gosto do velho engenho tocado a boi manso, das histórias prosadas nas noites de cerão para cevar a mandioca e fazer farinha, do mangual que batia no feijão para debulhar os grãos, do moinho de pedra, movido pela roda de água que corria morro abaixo e que transformava o milho em fubá.

E tudo isso regado pelo sonho, pelo caráter, pela vontade, pelo respeito, pela necessidade e os ardores dos adultos, amenizado pela aguardente, a querida e apreciada "mardita", igualmente extraída nos engenhos artesanais e vinda da cana que plantava, carpia, cortava a facão e carregava no lombo nú, nos dias quentes de verão.

Sou um poeta caipira que só conheceu gramática bem mais tarde, na cidade grande, por força das obrigações e pelo regalo do diploma de doutor que hoje está pendurado na parede da sala da minha velha mãe, quase centenária e que ainda o aponta para cada visita que chega, orgulhosa do filho caipira menino e hoje homem feito e diplomado.

E viva a cachaça, a "mardita", que refrescava no verão e aquecia no inverno. Que acalentava os desabores da desesperança, que comemorava o gozo do dever cumprido no fim da labuta, que congratulava os encontros dos compadres e regava a vida de emoções artificiais, que fomentava sonhos e viagens pelo imaginário do caipira altruísta.

Cachaça, cigarro de palha, rádio grande a pilha, música caipira solada por viola chorosa e muita contação de causos. Essas as imagens, os cheiros e os sons que carrego muito enraizados nas lembranças da vida menina, revivendo os senhores, então vizinhos, ou compadres ou somente amigos que fossem, sentados nas varandas das casas, em bancos de madeira ou cadeiras de palha e a noite tomando a madrugada. E quando mais cachaça corria, quando mais a música incentivava, mais causos e vantagens eram contadas ou simplesmente inventadas, sem que ninguem se atrevesse a duvidar.

Nas grandes cozinhas, fogões que queimavam lenha seca lentamente, grande mesa de madeira bruta, cristaleiras guardavam os copos e as porcelanas branquíssimas, as vezes pintadas a mão e na parede as baterias, exibindo as panelas de alumínio brilhante ostentando o capricho e orgulho da mulher prendada que cuidava da casa. E as senhoras ali, passando mais café recém moído e que ao receber a água fervente, exalava aquele jeito de manhazinha, apesar da noite alta. Na mesa o pão de forma, os biscoitos de milho, as broas de polvilho, a manteiga batida na manhã e as conversas correndo soltas, numa algazarra de amélias orgulhosas e felizes com seus constantes afazeres e ouvidos ligados nos maridos na varanda. Ali não corria cachaça de mão em mão.

Eita vida caipira, circunstâncias que assim contadas parecem terem ocorrido a séculos, quando na realidade são apenas décadas e cuja realidade ainda corre viva e solta em dias de hoje, por esses interiores do nosso tempo. A cachaça e o caipira não vivem somente nas minhas lembranças e nos meus causos. Ainda não são apenas lendas. Ainda são realidades presentes em tantos e tantos pedaços desse nosso chão.

EACOELHO



 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 195
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
1 A ARTILHARIA DA DIREITA (5 anos de artilharia) 511 03/04/2018
1 CASULO 221 28/12/2011
1 DESIGUAIS 205 26/12/2011
1 NATAL - DOS CORRUPTOS 143 23/12/2011
1 SEM SENTIDO 152 22/12/2011
1 PARA SEMPRE 161 22/12/2011
1 VEM DE TI 149 28/07/2010
1 AVISO AOS HIPÓCRITAS 185 25/07/2010
1 SEJA FELIZ 149 24/07/2010
1 CÉU DA TUA BOCA 204 20/07/2010
1 CORAÇÃO DE POETA 191 20/07/2010
0 MERCADOR DE ILUSÕES 127 09/07/2010
0 CONCLUSÕES 193 09/07/2010
0 A MULHER QUE EU AMO 194 09/07/2010
0 SEM QUERER 122 04/07/2010
0 SEDUÇÃO 128 04/07/2010
0 O QUE FAÇO AGORA 128 02/07/2010
0 RECORDAR É VIVER 111 01/07/2010
0 PERNAS CRUZADAS 121 30/06/2010
0 COPA DO MUNDO - INDUSTRIA DE EMOÇÕES 194 30/06/2010
0 LADRAO DE ESTRELAS 144 30/06/2010
0 ESTRELA CADENTE 156 30/06/2010
0 DIA SEGUINTE 170 30/06/2010
0 CONTROVÉRSIA 174 30/06/2010
0 CATACLISMA 174 30/06/2010
0 APENAS 179 30/06/2010
0 A MULHER DA MINHA ALDEIA 165 30/06/2010
0 A REDE DO MEDO 195 18/06/2010
0 CAIPIRA 195 18/06/2010
0 CONVERSA DE HOMEM 173 16/06/2010