Total Visualizações: 12927
Texto mais lido:
A CIDADE POSSÍVEL - Total: 160

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

AMOR ATO OITO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Minha mão esbraseia dentro de ti
entre fogueiras ela entende o que procura.
A batida seguinte do teu coração
é o ato bizarro da cura.

Eu não morro para ganhar outras vidas,
apenas me esfrego e permaneço aqui.
Meus dedos são sementes e aposso-me do gesto,
arranhão, transe, alegria sobre as dúvidas.

Sou a grávida solteira em um parto junto ao rio.
Porque tudo flui e desprezo a soberba das pedras
o deslize do meu sangue te afasta do arredio.

Torno-me a mulher do dia enfim descoberta.
Aquela que surge envolvida em seda
para infusão de nosso eterno instante de alerta.



Marília ainda era estagiária em enfermagem quando um rapaz esfaqueado e inconsciente entrou na emergência do Hospital Santa Luzia em Fortaleza. O médico examinou a vítima, o corte fora aberto na altura do estômago; tomou alguns cuidados e pediu à Marília as seguintes providências: colocar a luva cirúrgica e introduzir lentamente a sua mão direita dentro do ferimento do rapaz. Marília, julgando iniciar algum tratamento, obedeceu ao homem, introduziu lentamente a sua mão no estômago da vítima, mas quando estava no meio do caminho, dentro do corte, ela sentiu, devagar, as últimas batidas do coração do paciente. Marília puxou a mão e gritou. Soltou um grito enorme e ouviu a risada do médico titular, por coincidência também o seu professor na Faculdade de Enfermagem.
O mestre ordenara a providência da introdução da mão no abdômen do rapaz esfaqueado, não como uma tentativa de salvação do paciente, já condenado, mas para Marília sair do estágio, tornar-se uma profissional enfermeira que conhece e sabe relativizar a hora da morte. Enfermeiras devem adquirir a noção do efêmero.
Marília também começou a chorar. Chorou muito, junto com os familiares do rapaz, que morreu logo depois. Marília chorou porque percebeu também: sua mão dentro dos restos mortais não tinha sido apenas uma aula prática. Marília se sentiu unida ao corpo do jovem e tudo - o ferimento, a luva cirúrgica, o coração do paciente, o coração de Marília - pareceu uma fileira de dominós em queda, retida ali entre seus dedos.
Marília lembrou deste fato como a ocorrência mais marcante de uma carreira de cinquenta anos. Tão marcante para confessar a sua única irmã:
- Eu nunca me casei, mas algo em mim continua tão ligado ao tal homem quanto naquele dia.
Grandes são as coincidências neste mundo. Sábado, dia 23, Marília faleceu por causa de uma úlcera.
Marília tinha setenta anos. Deixa uma irmã, também enfermeira, e um sobrinho.
Apenas a irmã entendeu o pretexto amoroso da úlcera de Marília.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 95
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 UM PROFESSOR DE LITERATURA 25 11/07/2019
0 OS TOUROS 7 11/07/2019
0 DIA SEGUINTE 4 11/07/2019
0 O HOMEM PRIMITIVO 21 04/07/2019
0 CURRÍCULO VITAE 47 21/06/2019
0 AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN 59 10/06/2019
0 AMOR ATO VINTE 30 08/06/2019
0 AMOR ATO DEZENOVE 39 06/06/2019
0 RESPOSTA BÁSICA 28 04/06/2019
0 A INVENÇÃO DO FUTEBOL 65 22/05/2019
0 ETERNA SOFISTICAÇÃO 51 11/05/2019
0 QUEBRA-CABEÇAS 39 06/05/2019
0 AMOR VULGAR 55 03/05/2019
0 O SANTO DOS LADRÕES 35 01/05/2019
0 AS VOZES 33 30/04/2019
0 SANGUE DE BARATA 43 29/04/2019
0 DIA A DIA 51 25/04/2019
0 EU E MADONNA NA LUA 44 23/04/2019
0 BAÍA CABRALIA 32 22/04/2019
0 TRÊS FRASES PARA SAIR DO LUGAR 47 18/04/2019
0 FORA DO PADRÃO 37 17/04/2019
0 20 DE JANEIRO DE 1983 97 05/04/2019
0 SINÔNIMOS: MERETRIZ, PIRANHA OU TOLERADA? 36 04/04/2019
0 AMOR ATO DEZESSETE 55 03/04/2019
0 OUTRO POEMA DE AMOR 64 29/03/2019
0 ANDANDO PELO CALÇADÃO 56 27/03/2019
0 NINHOS AO MEIO-DIA 47 25/03/2019
0 NO MEIO DE UM DOMINGO DE SOL 40 24/03/2019
0 AMOR ATO DEZESSEIS 74 23/03/2019
0 A MULHER DO LOUCO 65 22/03/2019