Total Visualizações: 6907
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 101

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A FORMIGA ALHEIA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Um dia a formiga não precisou pensar
tudo estava em seu lugar.
O mundo se encaixara,
as paredes eram extensas
e o formigueiro a obra perfeita
se ajustara a todas
cada casta possuía sua tarefa.

Hoje uma formiga não precisa pensar,
mas de vez em quando...
ela pode parar
e passar às outras
o feromônio de algo como:
“Estamos aqui!”
Mensagem rápida
na trilha de comida.

Hoje uma formiga já formiga,
ela não precisa pensar,
apenas casualmente,
(as formigas são obreiras,
a rainha é obreira,
títulos não existem),
qualquer operária transmite
uma satisfação como dizer:
“Agora pra frente!”
Alguma outra formiga terá a ideia
sentirá por instantes,
a felicidade alheia
e talvez abaixe antenas
sem interromper a tarefa
(nada cessará o serviço,
foi acertado no período Jurássico,
em um consenso de carapaças)

Uma formiga não precisa pensar,
por motivos longe da sua evolução,
talvez levante a cabeça,
em milésimos de ócio
e surgirá algo como:
“Sou igual a formiga à frente
a formiga no meu calcanhar é igual a mim.
Vivemos em um período dócil”.

Uma formiga não precisa pensar,
apenas ocasionalmente
quando se reproduzem,
a rainha à vista,
do chão todas percebem:
“Os machos voam!
Que lindo! Que lindo!
Mas tudo bem... tudo bem...”

A formiga jamais entende o porquê dos machos.
“Por que somente eles parecem morrer?”

DO LIVRO: AS ONDAS AMAM

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 34
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 PARA OUTRO IDOSO 3 19/03/2019
0 A MÚMIA 7 18/03/2019
0 SAUDADE ATO QUINZE 14 10/03/2019
0 REMATE FILOSÓFICO 25 02/03/2019
0 O MORTO APAIXONADO 14 01/03/2019
0 SONHOS DO PASSAGEIRO XIS 9 01/03/2019
0 COMBINAÇÕES 14 27/02/2019
0 CHUVAS NO JARDIM-BOTÂNICO 15 24/02/2019
0 DUAS HISTÓRIAS 12 23/02/2019
0 FELINAS NA CHUVA 12 23/02/2019
0 MOMENTOS DE AMOR 17 20/02/2019
0 TRÊS OLHARES POSSÍVEIS 37 09/02/2019
0 AMOR ATO OITO 34 04/02/2019
0 AMOR ATO UM 38 31/01/2019
0 A FORMIGA ALHEIA 34 28/01/2019
0 TUBARÕES NÃO PRECISAM DE SANGUE 26 27/01/2019
0 CHUVA INCOMPREENSÍVEL EM SÃO PAULO 46 18/01/2019
0 A DESCONSTRUÇÃO 23 18/01/2019
0 UNI VERSOS POSSÍVEIS 40 04/01/2019
0 BISCOITOS VIRTUAIS 43 02/01/2019
0 HORA LÍQUIDA 35 30/12/2018
0 CEMITÉRIO DOS AFLITOS 24 29/12/2018
0 FUTEBOL-REDBOL 41 23/12/2018
0 A ALMA SURDA 69 06/12/2018
0 ALMA SURDA 64 04/12/2018
0 AMOR ATO ONZE 50 02/12/2018
0 SAUDADE ATO DEZ 32 02/12/2018
0 AMOR ATO DEZ 39 02/12/2018
0 PRAGA, LADO NORTE 56 25/11/2018
0 O MENDIGO FRITZ 53 20/11/2018