Total Visualizações: 7936
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 108

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A DESCONSTRUÇÃO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Ordenei-me no caos.
Quis edificar
a ampla estrutura de ser
no loteado planalto humano.
Parti do minuto areia
e aceitei os dias
como pedras pulverizadas.
O ESQUECIMENTO FOI ALICERCE.
Admiti a resina dos povos.
(Todos povos possuem resinas).
Aceitei os homens
e seus desatinos quando em massa reunida
e suportaria o aglomerado,
caso ele não fosse impactado sobre mim.
Construi. Levantei paredes.
Entendi nossa consistência
de barro cozido
e a reciclagem da lama
através da idade.
Terminei a obra. Vistoriei.
A edificação imensa sim, pomposa também,
era desnecessária.
//////////////////////////////////
A alvenaria nunca será o Partenon,
nem mesmo uma esquina conhecida
de rua com nome de Barão.
Há somente um oco escavado atrás de tudo.
Pois sou gruta,
sempre fui gruta,
vão úmido maior que todos os projetos
e milhões de sons me cercam.
Uma estalactite coteja,
segundos absurdos em meu ouvido.

Do livro "Borboletas noturnas não existem" - não publicado
phcfontenelle@gmail.com

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 36
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 TRÊS FRASES ENCAMINHADORAS 2 18/04/2019
0 FORA DO PADRÃO 2 17/04/2019
0 20 DE JANEIRO DE 1983 42 05/04/2019
0 SINÔNIMOS: MERETRIZ, PIRANHA OU TOLERADA? 9 04/04/2019
0 AMOR ATO DEZESSETE 6 03/04/2019
0 OUTRO POEMA DE AMOR 33 29/03/2019
0 ANDANDO PELO CALÇADÃO 16 27/03/2019
0 NINHOS AO MEIO-DIA 15 25/03/2019
0 NO MEIO DE UM DOMINGO DE SOL 12 24/03/2019
0 AMOR ATO DEZESSEIS 16 23/03/2019
0 A MULHER DO LOUCO 16 22/03/2019
0 OS RETRATOS 8 22/03/2019
0 TRÊS OLHARES POSSÍVEIS 10 21/03/2019
0 ENTRE A BALA E A BORBOLETA 9 21/03/2019
0 MARCAS COLORIDAS 13 20/03/2019
0 SAUDADE ATO DEZESSEIS 14 20/03/2019
0 PARA OUTRO IDOSO 13 19/03/2019
0 A MÚMIA 14 18/03/2019
0 SAUDADE ATO QUINZE 20 10/03/2019
0 REMATE FILOSÓFICO 31 02/03/2019
0 O MORTO APAIXONADO 21 01/03/2019
0 SONHOS DO PASSAGEIRO XIS 14 01/03/2019
0 COMBINAÇÕES 20 27/02/2019
0 CHUVAS NO JARDIM-BOTÂNICO 18 24/02/2019
0 DUAS HISTÓRIAS 19 23/02/2019
0 FELINAS NA CHUVA 21 23/02/2019
0 MOMENTOS DE AMOR 24 20/02/2019
0 TRÊS OLHARES POSSÍVEIS 47 09/02/2019
0 AMOR ATO OITO 41 04/02/2019
0 AMOR ATO UM 47 31/01/2019