Total Visualizações: 35917
Texto mais lido:
BEIJA-FLOR - Total: 422

Amigos Recentes

613 SEDNAN MOURA385 ANDRADE JORGE587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT477 ADEMYR BORTOT440 ARMANDO MUNIZ POETA416 RECICLA SÃO GONÇALO444 DRILLY MANFRE3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 218 Todos os textos de: ZILDO GALLO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

UMA NOVA ÉTICA PARA O PLANETA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

A palavra ética vem da palavra grega ethos, que significa morada. Todavia, não se tratava e, também hoje, não deve ser compreendida como a casa material, mas como a casa existencial. A casa existencial significava para os gregos a teia de relações entre o meio físico e os membros da comunidade. Para os dias de hoje, recuperando a concepção grega, a morada não deve ser apenas a casa onde as pessoas habitam, deve ser também a cidade, o país e o planeta Terra, a casa de todos.

A necessidade de se construir uma ética para a Terra é importante e sua relevância para a própria sobrevivência da humanidade é inquestionável, pois a busca desenfreada por riqueza e poder e a luta sangrenta pela partilha das riquezas naturais têm impedido a convivência harmoniosa entre todos os homens e destes com os demais seres. Guerras e destruição ambiental são os resultados mais visíveis da desarmonia instalada. Há que se fundar um novo ethos para se criar uma relação nova entre os homens e destes com todos os demais seres. A nova ética deverá nascer da natureza mais profunda do ser humano. A essência do homem está mais no cuidado, na compaixão, do que na razão e na vontade. Há que se resgatar a essência do humano.

O ser humano é um animal que, pela sua natureza, produz cultura. Ele cria normas e instituições a partir de estímulos do meio ambiente e das relações com os semelhantes e, assim, acaba modelando a sua própria natureza. Ele também é um animal que consegue sobreviver em diversos ecossistemas, adaptando-se a eles e moldando-os de acordo com as suas necessidades. Toda sociedade, a partir da sua cultura, desenvolve uma ideia particular do que é a natureza. Então, o conceito de natureza não é natural, ele é criado e instituído pelos homens. É um dos pilares que sustentam as relações sociais e a produção material e espiritual dos povos. Para a sociedade atual, destacando-se a ocidental, a natureza, por definição, contrapõe-se à cultura. A cultura é considerada como algo superior e que, por isso, pode controlar a natureza.

A partir da Revolução Científica e da Revolução Industrial, o homem colocou-se acima da natureza, acima dos demais seres que nela convivem. Trata-se de um processo de separação, de um processo que coloca a natureza à sua plena disposição. Todos já ouviram a expressão: o homem é um animal social, distinguindo-o dos outros animais. Ocorre que a vida social não é privilégio da humanidade. A sociabilidade acontece de forma ampla no mundo animal. Esta atitude arrogante produz um fosso entre a humanidade e a natureza. Ela tornou-se estranha ao homem, que se acredita dela separado. Na sua mente ela deixou de ser a sua morada, pois a sua casa passou a ser apenas a natureza por ele modificada, a natureza construída.

Nos últimos séculos a justificativa dada para o avanço da ciência e da indústria tem sido a elevação do nível de consumo. O consumo é essencial para a vida humana; não é esta a questão. O problema não é o consumo em si, mas os seus padrões e efeitos sobre o meio ambiente é que são questionáveis. O atendimento de várias possibilidades de consumo deve acontecer para melhorar as condições de vida das populações excluídas, não se questiona isto.

O consumo moderno, contudo, seguiu caminhos tortuosos e virou consumismo, penetrando no inconsciente coletivo da população, onde se confundiu com o desejo de liberdade. Ser livre é poder apropriar-se da natureza, transformá-la em bens de consumo e consumi-la. Quanto maior o consumo maior a liberdade. Em relação à natureza consolida-se, com a aceitação deste conceito de liberdade, uma ética utilitarista. A natureza está aí para ser usada e abusada.

A abundância de bens de consumo produzidos pela indústria é vista como um símbolo do sucesso das economias modernas. Entretanto, de algumas décadas para cá, esta abundância começou a ser vista com olhares negativos, já que o consumismo passou a ser considerado um problema social.

O consumo exacerbado não é mais uma opção aberta, com amplas possibilidades para toda a Terra. A aceitação da ideia de um desenvolvimento sustentável indica que se fixou um limite superior para o progresso. Esta aceitação coloca um novo e saudável desafio: como eliminar a miséria, sem desrespeitar a capacidade de suporte do planeta? Podemos querer empurrar o crescimento além dos limites, mas devemos ter consciência do fato de que, mais cedo ou mais tarde, teremos que confrontar a nêmesis da natureza. A deusa Nêmese, venerada por gregos e romanos, representava a justa medida na ordem divina e humana. Todos os que ousassem ultrapassar a própria medida (chamada de hybris – autoafirmação arrogante) eram imediatamente fulminados por Nêmese. Há muito a humanidade vem exercendo a sua arrogância e a deusa já começou a manifestar a sua ira. Não devemos pagar para ver.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 39
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 BIG BANG: (re)nascimento 47 02/01/2019
0 BICHO PAPÃO 58 02/01/2019
0 BAÚ DEBAIXO DA PONTE 50 02/01/2019
0 A LUA E O MAR 117 02/01/2019
0 A POESIA (o poeta e sua sina) 111 02/01/2019
0 ALÉM DAS SOMBRAS DA CAVERNA 84 02/01/2019
0 FINGE DORES (para Fernando Pessoa) 52 01/01/2019
0 DOCES ENGANOS 49 01/01/2019
0 REZA ÀS MÃES DAS ÁGUAS 61 01/01/2019
0 DESEJO DE SAPO 46 01/01/2019
0 PLANEJAMENTO URBANO 53 01/01/2019
0 ROTINA 52 01/01/2019
0 HAICAI DA BORBOLETA 49 01/01/2019
0 As abelhas de Gavião Peixoto: um holocausto ainda impune 64 01/01/2019
0 ÉTICA E ECONOMIA: UM BATE PAPO COM VÁRIOS AUTORES DE VÁRIOS TEMPOS 43 31/12/2018
0 PORTAL DO CÉU (CORAÇÃO) 47 30/12/2018
0 LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE EM 2019 42 30/12/2018
0 PÉROLAS AOS PORCOS 62 30/12/2018
0 O POETA E O CIDADÃO 45 30/12/2018
0 Reflexões: o Papa Francisco, a Oração de São Francisco e os dias de hoje 43 30/12/2018
0 A empresa do futuro e a produção de valores sustentáveis: ou vai ou racha! 113 30/12/2018
0 Gestão de recursos hídricos: porque imitamos os franceses 46 30/12/2018
0 GANGA MÃE E OUTRAS MÃES 67 29/12/2018
0 PERERECA POROROCA PURURUCA 50 29/12/2018
0 PÉ RAPADO 40 29/12/2018
0 RUMO AO OCEANO: UM TRIBUTO À PAZ 53 28/12/2018
0 UMA NOVA ÉTICA PARA O PLANETA 39 28/12/2018
0 Urbanização e meio ambiente: crises sociais e ambientais 44 28/12/2018
0 O lixo em Americana, a sociedade de consumo e o consumismo 43 27/12/2018
0 Cântico das criaturas: uma volta à natureza na Carta do Papa Francisco 41 27/12/2018