Total Visualizações: 520
Texto mais lido:
MODINHA - Total: 114

Amigos Recentes

1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 1658 Todos os textos de: MARIA DO SOCORRO DOMINGOS
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

O PRETENCIOSO (CORDEL)


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Estava um burro a passear,
Na floresta, quando então,
Deu de cara com uma pele
Que era de um grande leão.

Um caçador bem malvado
Matou e desossou o rei.
E o burro encabulado,
Disse assim: - O que farei?

E lhe ocorreu a ideia,
De vestir aquela roupa
E espantar a bicharada,
Numa correria louca.

Não perdeu tempo, vestiu
A pele e, na mesma hora,
Passou uma capivara
Ele falou: - É agora!

Esperou que ela passasse
Por detrás de uma moita,
Então deu um grande pulo,
Pensando: - Ela é afoita!

A pobre da capivara
Quase morria de medo,
Saiu numa tremedeira,
Correndo pelo arvoredo.

E nesse instante lá vinha
Um cachorro bem magrinho,
E o burro, bem disfarçado,
Abocanhou-lhe o focinho.

O cachorro amarelou,
Quase que perdia o tino,
Correu todo arrepiado,
De medo ia grunhindo.

Lá vem o pobre coelhinho,
Saltando com alegria,
Deparou-se com o leão,
Quase morre de agonia.

A esta altura na floresta
Era grande a confusão,
O burro fazendo festa
Com a pele do leão.

E os animais, coitados!
Todos morrendo de medo.
E o burro bem orgulhoso,
Com o seu belo segredo.

Ele a todos assustando
E a bicharada fugindo,
E ele, achando graça,
Fazia tudo sorrindo.

Eis que em certo momento,
Com todo aquele alvoroço,
Ele se encheu de vento
E esticou o pescoço.

E relinchou de um jeito,
Que a floresta estrondou.
A raposa que passava,
Desconfiada ficou.

Ela fugia do massacre,
Com os outros animais,
Ouviu o urro do leão,
Diferente dos demais.

Então falou: - Ó amigo,
Por que soltaste este zurro?
Apesar da linda pele,
Não és leão! És um burro!

Se tivesses ficado quieto,
Escondido nesse arbusto,
Eu não desconfiaria,
E grande seria o susto.

Agora, meu camarada,
Culpa de tua besteira,
Pois ao abrir tua boca,
Acabaste a brincadeira.

A bela fábula de Esopo
Serve para reflexão,
É que ela nos ensina,
Mais uma bela lição:

Trajando um belo terno,
Estando muito elegante,
É melhor ficar calado,
Se for muito ignorante.

Não adiantam vestidos,
Sapatos, bolsa bonita,
Um cérebro sem conteúdo,
É como um trapo de chita.

Cordel inspirado na fábula "O Burro que vestiu a pele de um Leão", de Esopo -
Moralista e fabulista grego do século VI a.C. que se tornou famoso por suas pequenas histórias de animais, cada uma delas com um sentido e um ensinamento.

Maria do Socorro Domingos
João Pessoa, 29/11/2018

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 76
[ 7 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 ÊXTASE 43 10/03/2019
0 A FLAUTA E O SABIÁ 53 05/02/2019
0 O QUE É QUE O POETA TEM? 83 14/12/2018
0 O QUE É O TEMPO? 65 05/12/2018
0 O PRETENCIOSO (CORDEL) 76 29/11/2018
0 (O TRIGO (inspirado no apólogo - de mesmo título - De Coelho Neto) 86 25/11/2018
0 MODINHA 114 24/11/2018