Total Visualizações: 6988
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 101

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Nunca visitei Nova York.
Nova York não existe.
Ela é um ponto de luz
na foto escura do planeta,
um retrato de calendário,
o filme na tevê,
e minha palavra contra a tua,
que afirma conhecer a cidade
ter andado pela Quinta Avenida,
ter visto esquilos no Central Park.

(Nova York não existe.
Sua existência é substrato daquilo que concebo,
teias de aranha em cantos que asseio.
Na casa de praia no litoral da Bahia
reparo um Baiacu oculto nas pedras
e penso:
“O Baiacu existe!”
Se ele não estivesse na minha frente
não seria o peixe.
Seria uma ideia balão,
uma fotografia,
uma imagem no filme da tevê).

A cidade de Nova York não existe,
presumi que existia,
ludibriado pela luz
da imagem televisiva.
Isto foi antes de ver certa lua cheia,
- brilhava mais do que as luas
dos últimos 60 anos -
e pensar:
“O satélite não se incomoda com Manhattan,
com a Times Square
e ele se garantiu mais ainda
porque eu o descobri.
É outro baiacu luminoso
no oceano do universo"

Nova York não tem coberturas
não testemunho suas luzes.
Ela sobrenada uma nervura,
esconde-se atrás de pedras vaidosas,
mostra formas bizarras,
porque nada daquilo são ruas.
Se há transeuntes,
eles saem de um metrô
de estações aparentes.

DO LIVRO:"ADVERSOS E OUTROS MOMENTOS"

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 69
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 PRAGA, LADO NORTE 56 25/11/2018
0 O MENDIGO FRITZ 54 20/11/2018
0 CONTATOS URBANOS 60 17/11/2018
0 O BANDEIRANTE 51 16/11/2018
0 NOVA CHANCE 42 16/11/2018
0 AMOR ATO TRÊS 62 15/11/2018
0 A MÁQUINA DO TEMPO 63 13/11/2018
0 PICHAÇÕES EM SÃO PAULO 47 11/11/2018
0 ATRÁS DO SOBRADO 65 07/11/2018
0 O CULTIVO 48 05/11/2018
0 OS SUBMERSOS 34 05/11/2018
0 PRAGA 51 01/11/2018
0 EM CIMA DO MURO 40 01/11/2018
0 AS CRIANÇAS DO GENERAL MÉDICI 49 28/10/2018
0 A TEVÊ LIGADA 59 25/10/2018
0 RAÍZES HUMANAS 69 20/10/2018
0 DELÍRIO DE PEIXE 101 15/10/2018
0 A CIDADE POSSÍVEL 92 13/10/2018
0 EM 1970 NO BRASIL 83 08/10/2018
0 MUNDO DIGITAL 60 06/10/2018
0 A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO 69 05/10/2018
0 NO MEIO DA CHUVA 58 02/10/2018
0 MONTANHAS CARIOCAS 82 01/10/2018
0 OS VOADORES 64 30/09/2018
0 A LISTA 71 30/09/2018
0 ULTIMAS 58 28/09/2018
0 LADEIRA DA MEMÓRIA 60 27/09/2018
0 SAUDADE ATO QUATRO 47 26/09/2018
0 OS IDOSOS SÃO LIVRES 53 24/09/2018
0 OS DEZENOVE DO FORTE DE COPACABANA 39 24/09/2018