Total Visualizações: 6963
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 101

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

OUTROS PALHAÇOS


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Antônio tinha oitenta anos e sabia que perdia a memória. Perdia a memória, mas o fato nem o incomodava. Antônio aos oitenta anos sem memória, achava que nos últimos meses recebera a visita do pai morto há cinquenta anos, da esposa falecida há vinte e até o filho. Pareceu-lhe que conversara com o menino ontem, embora a criança tivesse morrido há mais de trinta anos de leucemia. Antônio perdia a boa memória e não se incomodava porque a má memória trazia outras lembranças. Infelizmente, porém, a má memória tornou-se efetivamente má.
Antônio começou a se preocupar com palhaços: o seu medo infantil de palhaços. Dizia que eles não eram somente figuras amistosas e começou a encontrá-los em sonhos tão nítidos que pareciam reais. Ele percorria ruas inundadas por chuvas de verão, caminhava até uma grande tenda de circo e encontrava os tais palhaços que ali moravam e transpiravam.
A sua filha mais velha não ligava para o pai. Tentava acalmá-lo. Pedia que ele não se preocupasse. Tudo ficaria bem, eram apenas efeitos dos remédios. Às vezes, a filha ia mais longe no sermão e afirmava ao pai que o tempo real é absoluto. Não acontecera nada; nem a visita do seu avô, nem o retorno da mãe, do irmão... porque eles estavam mortos e ele, Antônio, tinha oitenta anos. Também não existiam uma tenda de circo, palhaços e outras ideias. Tudo ficaria bem, eram apenas efeitos daquela internação provisória por recomendação médica.
Antônio até aceitava os argumentos. Todos estavam mortos, mas os palhaços eram seres diferentes. Os palhaços pareciam existir. Existiam.
Ontem palhaços chegaram no picadeiro com as suas calças balões e gritaram:

- Bom dia, criançada!

As crianças responderam:

- Bom diiiiiia!!!!

E os palhaços perguntaram:

- Quem tem medo de perder o amor da mãe?!

E as crianças responderam:

- Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeu!!!!!!

E os palhaços repetiram:

- Quem tem medo do ridículo?!

E as crianças responderam:

- Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeu!!!!!!

E os palhaços insistiram:

- Quem tem medo de morrer?!

E as crianças devolveram:

- Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeu!!!!!

E os Joões Bobos definiram:

- Quem tem medo de virar velho pobre?!

Nesta última questão somente Antônio dissera “Eeeeeeeu!”. Era uma questão importante. Que palhaços mal-intencionados estes a inquirir de forma tão cruel.

Hoje Antônio acordou sem saber porque estava ali, naquela casa de repouso. Depois se lembrou. Tudo estava bem. A idade madura parecia ter este sentido: estar bem. Uma enfermeira chega e avisa-lhe. Hoje é sábado de carnaval. Antônio então para de temer os palhaços e explica:

- Enfermeira...vou sair um pouco. Hoje não verei os palhaços. Eles se escondem no carnaval. Eles são apenas idosos carentes em um sábado de carnaval.

Do livro:TOUROS EM COPACABANA
phcfontenelle@gmail.com

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 50
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 PRAGA, LADO NORTE 56 25/11/2018
0 O MENDIGO FRITZ 53 20/11/2018
0 CONTATOS URBANOS 60 17/11/2018
0 O BANDEIRANTE 51 16/11/2018
0 NOVA CHANCE 42 16/11/2018
0 AMOR ATO TRÊS 60 15/11/2018
0 A MÁQUINA DO TEMPO 63 13/11/2018
0 PICHAÇÕES EM SÃO PAULO 47 11/11/2018
0 ATRÁS DO SOBRADO 65 07/11/2018
0 O CULTIVO 48 05/11/2018
0 OS SUBMERSOS 34 05/11/2018
0 PRAGA 51 01/11/2018
0 EM CIMA DO MURO 40 01/11/2018
0 AS CRIANÇAS DO GENERAL MÉDICI 49 28/10/2018
0 A TEVÊ LIGADA 59 25/10/2018
0 RAÍZES HUMANAS 69 20/10/2018
0 DELÍRIO DE PEIXE 101 15/10/2018
0 A CIDADE POSSÍVEL 92 13/10/2018
0 EM 1970 NO BRASIL 83 08/10/2018
0 MUNDO DIGITAL 60 06/10/2018
0 A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO 68 05/10/2018
0 NO MEIO DA CHUVA 58 02/10/2018
0 MONTANHAS CARIOCAS 80 01/10/2018
0 OS VOADORES 64 30/09/2018
0 A LISTA 71 30/09/2018
0 ULTIMAS 58 28/09/2018
0 LADEIRA DA MEMÓRIA 60 27/09/2018
0 SAUDADE ATO QUATRO 47 26/09/2018
0 OS IDOSOS SÃO LIVRES 53 24/09/2018
0 OS DEZENOVE DO FORTE DE COPACABANA 38 24/09/2018