Total Visualizações: 7222
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 105

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

DISCURSO DE ANIVERSÁRIO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Eu nasci em abril de 1877. Isto não está nos registros porque não me conhecem. Se a vida é longa? Entre as minhas teorias sobre a vida, posso dizer que tenho uma longa carreira nesse show porque sempre me reinventei. Por isso nem seria preciso falar muito sobre mim, apesar de ter vivido em três séculos.

Da minha infância lembro muito pouco. Minha mãe vestia preto e gerou dez filhos. O meu pai andava na frente e não falava comigo. Nós tivemos duas criadas naquele tempo. Uma delas tinha a fama de lançar macumbas contra crianças. Eu e os meus irmãos tínhamos medo da tal mulher. E como tudo era terrível, achei que devia responder àquelas ameaças de alguma forma. Um dia descobri que meu pai escondia um revólver de percussão Colt 1851. A criada macumbeira sabia deste Colt e qual era o seu uso. Procurei a arma entre os pertences do meu pai e apontei a máquina para o rosto da criada quando ela entrava em casa. A mulher arregalou os olhos, senti-me vingado e ali acabaram as macumbas contra crianças; ou não acabaram, porque estou por aqui até hoje. Talvez a grande macumba da criada tenha sido me deixar vivo.

Da minha fase adulta posso dizer que fui casado. Minha primeira mulher teve oito filhos. Todos eles já morreram. Do rosto de minha esposa, lembro da nossa primeira noite de amor. Ela arregalou os olhos para morrer vinte e cinco anos depois, vítima de tuberculose. Ela me chamava de “meu bem” e era uma boa alma. Não tinha inveja de ninguém: nem das irmãs, das primas, amigas... Tinha a benevolência de uma heroína romântica. Hoje sei bem... ela foi a personagem de um filme.

Eu me casei pela segunda vez aos cinquenta anos e isto equivalia dizer naquela época, que um homem de oitenta anos havia casado. Estávamos em 1927 e pela minha idade atual tenho a impressão de que sempre fui velho, embora isto não faça muita diferença agora.

Tive um único filho com a nova mulher. Este filho morreu há dez anos e, no momento do seu óbito, por causa da esclerose múltipla, ele não sabia se eu era o seu pai ou um dos seus filhos.

Meu último filho gostava de Frank Sinatra e ficava tranquilo quando eu cantava “My Way” à capela.Na hora da sua morte eu segurei a sua mão e quis cantar “Only the lonely”.

O que posso dizer mais sobre este segundo casamento: quando me casei o Rio de Janeiro queria ser colorido. Ainda era uma cidade preta e branca, apesar das fotografias do alumínio brilhante que revestia os aviões Douglas DC-3 da Varig.

Estou em 1950, estou em 2017. Não faz diferença.

DO LIVRO:"TOUROS EM COPACABANA"

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 81
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 CEMITÉRIO DOS AFLITOS 25 29/12/2018
0 FUTEBOL-REDBOL 42 23/12/2018
0 A ALMA SURDA 74 06/12/2018
0 ALMA SURDA 64 04/12/2018
0 AMOR ATO ONZE 56 02/12/2018
0 SAUDADE ATO DEZ 35 02/12/2018
0 AMOR ATO DEZ 42 02/12/2018
0 PRAGA, LADO NORTE 58 25/11/2018
0 O MENDIGO FRITZ 55 20/11/2018
0 CONTATOS URBANOS 62 17/11/2018
0 O BANDEIRANTE 51 16/11/2018
0 NOVA CHANCE 42 16/11/2018
0 AMOR ATO TRÊS 64 15/11/2018
0 A MÁQUINA DO TEMPO 64 13/11/2018
0 PICHAÇÕES EM SÃO PAULO 47 11/11/2018
0 ATRÁS DO SOBRADO 69 07/11/2018
0 O CULTIVO 50 05/11/2018
0 OS SUBMERSOS 37 05/11/2018
0 PRAGA 53 01/11/2018
0 EM CIMA DO MURO 42 01/11/2018
0 AS CRIANÇAS DO GENERAL MÉDICI 50 28/10/2018
0 A TEVÊ LIGADA 63 25/10/2018
0 RAÍZES HUMANAS 70 20/10/2018
0 DELÍRIO DE PEIXE 105 15/10/2018
0 A CIDADE POSSÍVEL 93 13/10/2018
0 EM 1970 NO BRASIL 86 08/10/2018
0 MUNDO DIGITAL 62 06/10/2018
0 A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO 74 05/10/2018
0 NO MEIO DA CHUVA 60 02/10/2018
0 MONTANHAS CARIOCAS 85 01/10/2018