Total Visualizações: 7209
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 105

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

AMOR ATO CINCO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Ouço choros em nossa aproximação,
ela está longe e ligada e reina
quando estendo a maciez da discrição,
para teus tapetes que são olhos e cortam.

O choro exige resposta aos criminosos.
Aqui não há crime, somente bocas abertas.
Não há questões, senão constantes espinhos,
animam em meu corpo um ambiente de cobertas.

Cercado por frutas rachadas o sabor ecoa,
o vento passa e entendo o prêmio brilhante,
teu coração que faísca, figura constante.

Eu mordo agora tua digital profunda.
Chego aos extremos e prossigo,
o fecho das mil joias é tua presença fecunda.


Marília ainda era estagiária em enfermagem quando um rapaz esfaqueado e inconsciente entrou na emergência do Hospital Santa Luzia em Fortaleza. O médico examinou a vítima, o corte fora aberto na altura do estômago; tomou alguns cuidados e pediu à Marília as seguintes providências: colocar a luva cirúrgica e introduzir lentamente a sua mão direita dentro do ferimento do rapaz. Marília, julgando iniciar algum tratamento, obedeceu ao homem, introduziu lentamente a sua mão no estômago da vítima, mas quando estava no meio do caminho, dentro do corte, ela sentiu, devagar, as últimas batidas do coração daquele paciente. Marília puxou a mão e gritou. Soltou um grito enorme e ouviu a risada do médico titular, por coincidência também o seu professor na Faculdade de Enfermagem.
O mestre ordenara a providência da introdução da mão no abdômen do rapaz esfaqueado, não como uma tentativa de salvação do paciente, já condenado, mas para Marília sair do estágio, tornar-se uma profissional enfermeira que conhece e sabe relativizar a hora da morte. Enfermeiras devem adquirir a noção do efêmero.
Marília também começou a chorar. Chorou muito, junto com os familiares do rapaz, que morreu logo depois. Marília chorou porque percebeu também: sua mão dentro dos restos mortais não tinha sido apenas uma aula prática. Marília se sentiu unida ao corpo do jovem e tudo - o ferimento, a luva cirúrgica, o coração do paciente, o coração de Marília - pareceu uma fileira de dominós em queda, retida ali entre seus dedos.
Marília lembrou deste fato como a ocorrência mais marcante de uma carreira de cinquenta anos. Tão marcante para confessar a sua única irmã:
- Eu nunca me casei, mas algo em mim continua tão ligado ao tal homem quanto naquele dia.
Grandes são as coincidências neste mundo. Sábado, dia 23, Marília faleceu por causa de uma úlcera.
Marília tinha setenta anos. Deixa uma irmã, também enfermeira e um sobrinho.
Apenas a irmã entendeu o pretexto amoroso da úlcera de Marília.



DO LIVRO:"AMOR POR FORÇA DA LEMBRANÇA"

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 75
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 CEMITÉRIO DOS AFLITOS 25 29/12/2018
0 FUTEBOL-REDBOL 41 23/12/2018
0 A ALMA SURDA 74 06/12/2018
0 ALMA SURDA 64 04/12/2018
0 AMOR ATO ONZE 55 02/12/2018
0 SAUDADE ATO DEZ 35 02/12/2018
0 AMOR ATO DEZ 42 02/12/2018
0 PRAGA, LADO NORTE 58 25/11/2018
0 O MENDIGO FRITZ 54 20/11/2018
0 CONTATOS URBANOS 62 17/11/2018
0 O BANDEIRANTE 51 16/11/2018
0 NOVA CHANCE 42 16/11/2018
0 AMOR ATO TRÊS 64 15/11/2018
0 A MÁQUINA DO TEMPO 64 13/11/2018
0 PICHAÇÕES EM SÃO PAULO 47 11/11/2018
0 ATRÁS DO SOBRADO 69 07/11/2018
0 O CULTIVO 50 05/11/2018
0 OS SUBMERSOS 37 05/11/2018
0 PRAGA 53 01/11/2018
0 EM CIMA DO MURO 42 01/11/2018
0 AS CRIANÇAS DO GENERAL MÉDICI 50 28/10/2018
0 A TEVÊ LIGADA 62 25/10/2018
0 RAÍZES HUMANAS 70 20/10/2018
0 DELÍRIO DE PEIXE 105 15/10/2018
0 A CIDADE POSSÍVEL 93 13/10/2018
0 EM 1970 NO BRASIL 85 08/10/2018
0 MUNDO DIGITAL 62 06/10/2018
0 A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO 74 05/10/2018
0 NO MEIO DA CHUVA 60 02/10/2018
0 MONTANHAS CARIOCAS 85 01/10/2018