SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 1081
Texto mais lido:
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 - Total: 54
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 233
10 Autores mais recentes...
VERA SALVIANO
SANDRA TAÍS AMORIM DA CUNHA
GURU EVALD
ROBERT THOMAZ
MOISÉS ANTÓNIO
MAGO JAM
DURVALINA CASTOLDI
GILMAR GROSSINI
DEJANILDA DOS SANTOS BARBOSA MARQUEZINO
TATIANA ROZARIO
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 321643
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 101378
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 71198
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 9990
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 8404
247 VANESSA  SOARES
VANESSA SOARES
Total: 8356
375 WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA
WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA
Total: 7381
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 5947
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 5723
192 ALCINA MARIA SILVA AZEVEDO
ALCINA MARIA SILVA AZEVEDO
Total: 5002
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 4
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Toda Plenitude em Cristo – Parte 1

Sermão nº 978
Por Charles H. Spurgeon (1834-1892)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

O PREGADOR NÃO ESTÁ SOB NENHUMA DIFICULDADE hoje de manhã quanto ao objeto prático a ser visado em seu discurso. Cada assunto deve ser considerado com um objeto, todo discurso deve ter um objetivo espiritual definido; de outra forma, não pregamos, mas brincamos de pregar. A conexão indica claramente qual deve ser o nosso desvio. Leia as palavras imediatamente anteriores ao texto, e você descobre que o nosso Senhor Jesus deve ter a preeminência em todas as coisa. Nós deveríamos; por este texto, render honra e glória ao sempre bendito Redentor, e entronizá-lo no mais alto assento em nossos corações. Oh, que todos possamos estar em um estado mental de adoração, e possamos dar-lhe a preeminência em nossos pensamentos, além de todas as coisas ou pessoas no céu ou na terra. Abençoado é aquele que pode fazer ou pensar: o máximo para honrar um Senhor como o nosso Emanuel. O verso que sucede o texto, mostra-nos como podemos melhor promover a glória de Cristo, pois desde que ele veio a este mundo para reconciliar as coisas no céu e as coisas na terra para si mesmo, nós melhor o glorificaremos pelo seu grande desígnio de misericórdia. Ao buscar trazer os pecadores para um estado de reconciliação com Deus, estamos dando ao grande Reconciliador a preeminência. O evangelho será o evangelho da reconciliação nesta ocasião. Que a palavra reconciliadora chegue à casa pelo poder do Espírito de Cristo para muitos, para que centenas de almas possam neste dia glorificar o grande Embaixador que fez a paz pelo sangue da sua cruz.
O texto é profundo, não podemos explorá-lo, mas vamos viajar sobre sua superfície com alegria, o Espírito Santo nos dando um vento favorável. Aqui estão abundantes disposições muito superiores às de Salomão, embora à vista daquela profusão real, a rainha de Sabá sentiu que não havia mais espírito nela, e declarou que a metade não lhe fora dito.
Pode dar algum tipo de ordem aos nossos pensamentos se eles forem dispostos em quatro cabeças. O que é aqui falado - “toda plenitude”. Onde é colocado - “nele“, isto é, no Redentor. Nos é dito por que, porque agradou ao Pai; e temos também uma nota de tempo, ou quando, na palavra “habitar“ - “Agradou ao Pai que nEle habite toda a plenitude.“ Possam estas palavras: “o que”, “onde”, “por que” e “quando”, ajudá-lo a lembrar a execução do sermão.
I. Primeiro, então, vamos considerar o assunto diante de nós, ou O QUE - aprouve ao Pai que nele toda a plenitude permaneça. Duas palavras poderosas; “plenitude” uma palavra substancial, abrangente e expressiva em si e “toda“, uma ótima palavra incluindo tudo. Quando combinado na expressão, “toda plenitude“, temos diante de nós uma riqueza superlativa de significado.
Bendito seja Deus por essas duas palavras. Nossos corações se alegram ao pensar que existe tal coisa no universo como “toda plenitude“, pois na maior parte das perseguições mortais, a total esterilidade é encontrada. Vaidade de vaidade tudo é vaidade. Bendito seja o Senhor para sempre, que ele providenciou uma plenitude para nós, pois em nós, por natureza, existe todo o vazio e absoluta vaidade. Em mim, isto é, em minha carne, não habita bem algum. Em nós há uma falta de todo mérito, uma ausência de todo poder para obter algum, e até mesmo uma ausência de vontade de obtê-lo, se pudéssemos. Nesses aspectos, a natureza humana é um deserto, vazio e inútil, e desperdiçado, habitado apenas pelo dragão do pecado e pela amargura da tristeza. Pecador, santo, tanto para você como para estas palavras, “toda plenitude“, soa como um hino sagrado. As suas notas musicais são doces como as da mensagem dos anjos, quando eles cantaram: “Eis aqui vos trago boas-novas de grande alegria.” Não são notas de sonetos celestes? “Toda plenitude“. Você, pecador, é todo o vazio e a morte, você, santo, seria assim se não fosse pela plenitude de Cristo do qual você recebeu; portanto, tanto para o santo como para pecador, as palavras estão cheias de esperança. Há alegria nestas palavras para todas as almas conscientes de seu estado triste e humildes diante de Deus.
Eu vou tocar o sino de prata de novo, “toda plenitude“, e outra nota nos encanta; nos diz que Cristo é substância e não sombra, plenitude e não antecipação. Esta é uma boa notícia para nós, pois nada além de realidades atenderá ao nosso caso. Tipos podem instruir, mas eles não podem salvar. Os padrões das coisas nos céus são muito fracos para servir nossa necessidade, precisamos das próprias coisas celestiais. Nenhum pássaro sangrento nem boi abatido, nem correnteza, nem lã escarlate e hissopo, podem tirar nossos pecados.
“Nenhuma forma externa pode me limpar,
A lepra está profundamente dentro de mim.”
Cerimônias sob a antiga dispensação eram preciosas porque expuseram as realidades ainda a serem reveladas, mas em Cristo Jesus nós lidamos com as realidades em si mesmas, e esta é uma circunstância feliz para nós; pois nossos pecados e nossas tristezas são reais, e somente misericórdias substanciais podem neutralizá-las. Em Jesus, temos a substância de tudo o que os símbolos apresentam. Ele é nosso sacrifício, nosso altar, nosso sacerdote, nosso incenso, nosso tabernáculo, nosso tudo em todos. A lei tinha a sombra das coisas boas por vir, mas em Cristo temos a própria imagem das coisas - Hebreus 10: 1. Que transporte é este para aqueles que tanto sentem seu vazio que não poderiam ser consolados pela mera representação de uma verdade, ou o padrão de uma verdade, ou o símbolo de uma verdade, mas devem ter a própria substância! “ A lei foi dada por Moisés, mas a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.“ João 1: 16. Devo retornar às palavras do texto novamente, pois percebo mais mel caindo do favo de mel. “Toda plenitude“ é um termo amplo, abrangente e, em seu abundante depósito, oferece outra fonte de prazer. Que alegria essas palavras nos dão quando nos lembramos de que nossas vastas necessidades exigem plenitude, sim, toda a plenitude. antes que elas possam ser fornecidas! Uma pequena ajuda não será útil para nós, pois estamos totalmente sem forças. Uma medida limitada de misericórdia apenas zombará da nossa miséria. Um grau baixo de graça nunca será suficiente para nos levar ao céu, contaminados como estamos com o pecado, cercados de perigos, cercados de enfermidades, assaltados por tentações, molestados com aflições e, o tempo todo, levando conosco o corpo desta morte. Mas “toda a plenitude“. Ah, isso vai nos servir. Aqui está exatamente o que nossa condição desesperada exige para sua recuperação. Tivesse o Salvador apenas estendido o dedo para ajudar nos nossos esforços, ou se ele apenas estendesse a mão para realizar uma medida da obra da salvação, enquanto ele nos deixava para completá-la, nossa alma viveria para sempre nas trevas. Nestas palavras, “toda a plenitude“, nós ouvimos o eco de seu grito de morte, está consumado. Não devemos trazer nada, senão encontrar tudo nele, sim, a plenitude de tudo nele: simplesmente devemos receber da sua plenitude graça sobre graça. Não nos é pedido que contribuamos nem somos obrigados a compensar as deficiências, pois não há ninguém para compensar - tudo está depositado em Cristo. Tudo o que queremos entre este lugar e o céu, tudo o que podemos precisar entre as portas do inferno, onde nos deitamos em nosso sangue, até as portas do céu, onde encontraremos boas-vindas à entrada, é valorizado para nós no Senhor Jesus Cristo.
“Grande Deus, os tesouros do teu amor
São minas eternas,
Profundas como as nossas misérias indefesas,
E ilimitadas como os nossos pecados.”
Isto não disse bem que as duas palavras diante de nós são um hino nobre? Deixem-nas, eu lhes peço, alojar em suas almas por muitos dias; elas serão convidados abençoados. Que estas duas iguarias, feitas com mel, fiquem sob sua língua; deixe-as saciar suas almas, porque eles são o pão celestial. Quanto mais você lamentar o seu vazio, mais doces serão essas palavras; quanto mais você sentir que deve atrair em grande parte as margens do céu, mais se alegrará de que seus saques nunca diminuam o estoque ilimitado, pois ainda reterá o nome e a qualidade de toda a plenitude. denota que há em Jesus Cristo a plenitude da divindade; como está escrito: Nele habita toda a plenitude da Deidade corporalmente. Quando João viu o Filho do Homem em Patmos, as marcas da Deidade estavam sobre ele. “Sua cabeça e cabelos eram brancos como lã, brancos como a neve“ - aqui estava sua eternidade; “Seus olhos eram como uma chama de fogo“ - aqui estava sua onisciência; “De sua boca saiu uma afiada espada de dois gumes“ - aqui estava a onipotência de sua palavra; “E seu semblante era como o sol resplandece em sua força“ - aqui estava sua glória inacessível e infinita. Ele é o Alfa e o Ômega, o começo e o fim, o primeiro e o último. Portanto, nada é muito difícil para ele. Poder, sabedoria, verdade, imutabilidade e todos os atributos de Deus estão nele e constituem uma plenitude inconcebível e inesgotável. O intelecto mais amplo deve necessariamente falhar em compor a plenitude pessoal de Cristo como Deus; portanto, não fazemos mais que citar novamente aquele texto nobre: ”Nele reside toda a plenitude da Divindade corporalmente; e estais completos nele.”
A plenitude, além disso, habita em nosso Senhor não apenas intrinsecamente a partir de sua natureza, mas como resultado de sua mediação no mundo. Ele alcançou sofrendo e possuindo por natureza uma plenitude maravilhosa. Ele carregou nos ombros a carga do nosso pecado; ele expiou por sua morte nossa culpa e agora ele tem mérito com o Pai, infinito, inconcebível, e toda a plenitude para preencher nosso deserto. O Pai armazenou em Cristo Jesus, como em um reservatório, para o uso de todo o seu povo, seu amor eterno e sua graça ilimitada, para que nos venha através de Jesus Cristo, e para que possamos glorificá-lo. Todo o poder é colocado em suas mãos, e a vida, a luz e a graça estão à sua inteira disposição. “Ele fecha e ninguém abre, ele abre e ninguém fecha.“ Ele recebeu dons para homens; sim, para os justos também. Não somente como o Deus Poderoso, o Pai Eterno, ele é o possuidor do céu e da terra, e portanto, cheio de toda a plenitude, mas vendo que, como o Mediador terminou a nossa redenção, ele é feito de Deus para nós, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. Glória seja ao seu nome por esta dupla plenitude. Volte a pensar novamente, e lembre-se de que toda a plenitude habita em Cristo em direção a Deus e aos homens. Toda a plenitude para com Deus e - quero dizer tudo o que Deus requer do homem; tudo o que satisfaz e encanta a mente eterna, para que mais uma vez com complacência ele possa olhar para baixo a sua criação e pronunciar o “muito bom”. O Senhor olhou para as uvas na sua vinha, e produziu uvas bravas, mas agora em Cristo Jesus, o grande Lavrador contempla a videira verdadeira que produz muito fruto. O Criador exigiu obediência, e ele vê em Cristo Jesus o servo que nunca deixou de fazer a vontade do Mestre. A justiça exigiu que a lei fosse guardada e, eis que Cristo é o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê. Vendo que havíamos violado a lei, a justiça exigia a perseverança da penalidade justa, e Jesus a suportou plenamente, pois ele inclinou a cabeça até a morte, e até a morte da cruz. Quando Deus fez o homem um pouco menor que os anjos, e soprou em suas narinas o fôlego da vida, e assim o fez imortal, ele tinha o direito de esperar serviço singular de um ser tão favorecido - um serviço perfeito, alegre, contínuo; e nosso Salvador entregou ao Pai aquilo que perfeitamente o satisfaz; porque ele clama, este é o meu amado Filho, em quem me comprazo. Deus é mais glorificado na pessoa de seu Filho do que teria sido por um mundo não caído. Lá brilha através do universo inteiro uma exibição de infinita misericórdia, justiça e sabedoria, como nem a majestade da natureza nem a excelência da providência poderiam ter revelado. Sua obra na estima de Deus é honrosa e preciosa; por causa da sua justiça, Deus está bem satisfeito. A mente Eterna está satisfeita com a pessoa, trabalho e sacrifício do Redentor; pois ao Filho diz: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; o cetro de justiça é o cetro do teu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros.“, Hebreus 1: 8,9.
Que consolações inexprimíveis derivam desta verdade, pois, queridos irmãos, se tivéssemos de dar a Deus algo pelo qual devemos ser aceitos, devemos estar sempre em perigo; mas agora, desde que “somos aceitos no Amado“, estamos seguros além de todo perigo. E para descobrirmos que deveríamos aparecer diante do Deus Altíssimo, talvez ainda estivéssemos perguntando: “Devo vir diante dele com holocausto, com bezerros de um ano de idade? O Senhor ficará satisfeito com milhares de carneiros ou com dez milhares de rios de azeite?” Agora, pois, ouve a voz que diz: “Sacrifício, oferta, holocausto, oblação pelo pecado, não quiseste, nem tens prazer neles“; e nós ouvimos a mesma voz divina adicionar, “Eis-me aqui, eu venho fazer tua vontade“, e nos regozijamos quando recebemos o testemunho do Espírito, dizendo: “Pelo qual sois santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo uma vez por todas“, pois de agora em diante se diz: "Não me lembrarei mais de seus pecados e iniquidades.“
A plenitude de Cristo também é por causa do homem e diz respeito tanto ao pecador quanto ao santo. Há uma plenitude em Cristo Jesus que o pecador em busca deve contemplar com alegria. O que você quer, pecador? Tu queres todas as coisas, mas Cristo é tudo. Tu queres poder para acreditar nele - ele dá poder ao fraco. Tu queres arrependimento - ele foi exaltado no alto para dar arrependimento assim como remissão de pecado. Tu queres um novo coração: a aliança corre assim, “Um novo coração também lhes darei, e um espírito reto eu porei dentro deles.“ Tu queres perdão - eis que suas feridas fluem e limpam. Tu queres a cura: ele é o Senhor que te cura. Tu queres roupas - a sua justiça se tornará teu vestido. Tu queres preservação - serás preservado nele. Tu queres a vida, e ele diz: "Desperta, tu que dormes e ressuscita dentre os mortos, e Cristo te dará a vida." Ele veio para que pudéssemos ter vida. Tu queres - mas, de fato, o catálogo é muito longo para que pudéssemos lê-lo neste momento, ainda assim, assegure-se de que você acumula suas necessidades até que elas se levantem como Alpes diante de ti, mas o Salvador todo-suficiente pode remover todas as tuas necessidades. Você pode confiantemente cantar:
"Tu, ó Cristo, és tudo o que eu quero,
Mais do que tudo em ti eu acho."
Isto também é verdade tanto para o santo quanto para o pecador. Ó filho de Deus, tu agora és salvo, mas teus desejos não são removidos. Eles não são tão contínuos quanto os batimentos cardíacos? Quando não estamos em falta, meus irmãos? Quanto mais vivos estamos para Deus, mais estamos conscientes de nossas necessidades espirituais. Aquele que é “cego e nu“ pensa ser “rico e aumentado em bens“ mas deixe a mente ser verdadeiramente iluminada e sentimos que somos completamente dependentes da caridade de Deus. Sejamos contentes, pois aprendemos que não há necessidade em nosso espírito, que não possa ser abundantemente provida em toda a plenitude de Jesus Cristo. Você busca uma plataforma mais elevada de realizações espirituais, almeja vencer o pecado, deseja ser abundante para a glória de Deus, deseja ter utilidade, está ansioso por subjugar os corações dos outros a Cristo; contemple a graça necessária para tudo isso. No arsenal sagrado do Filho de Davi, contemple seu machado de batalha e suas armas de guerra; nas provisões daquele que é maior do que Aarão, veja as vestes para cumprir seu sacerdócio; nas feridas de Jesus, eis o poder com o qual você pode se tornar um sacrifício vivo. Se você deseja brilhar como um serafim e servir como um apóstolo, contemple a graça que o aguarda em Jesus. Se você for de força em força, escalando os mais altos picos de santidade, veja a graça sobre a graça preparada para você, se estiver em dificuldades, não as terá em Cristo; se houver alguma ligação com suas realizações sagradas, ela será definida por você mesmo. O próprio Deus infinito se entrega a você na pessoa de seu querido Filho, e ele lhe diz: “Todas as coisas são suas. O Senhor é a porção da tua herança e do teu cálice.” O infinito é nosso. Seja quem nos deu o seu próprio Filho, nesse mesmo ato nos deu todas as coisas. Ele não tem dito: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito; abre bem a boca, e eu vou enchê-la“?
Deixe-me observar que isso não é apenas verdade para os santos na terra, mas é verdade também para os santos no céu, pois toda a plenitude da igreja triunfante está em Cristo, bem como a da igreja militante. Eles não são nada no céu sem ele. O rio puro da água da vida da qual bebem procede do trono de Deus e do Cordeiro. Ele os fez sacerdotes e reis e em seu poder reinaram. Aqueles mantos nevados foram lavados e transformados em branco em seu sangue. O Cordeiro é o templo do céu (Apocalipse 21:22), a luz do céu (Apocalipse 21:23), seu casamento é a alegria do céu (Apocalipse 19: 7), e o Cântico de Moisés, o servo de Deus, e o cântico do Cordeiro é o cântico do céu (Apocalipse 15: 3). Nem todas as harpas acima poderiam fazer um lugar celestial se Cristo estivesse fora; porque ele é o céu dos céus e cumpre tudo em todos. Agradou ao Pai que, para todos os santos e pecadores, toda a plenitude fosse valorizada em Cristo Jesus.
Sinto que meu texto me subjuga. Os homens podem navegar pelo mundo, mas quem pode navegar num assunto tão vasto como este? Tanto quanto o leste dista do oeste tão grande é o seu alcance de bênçãos.
“Filósofos mediram montanhas,
Penetraram as profundezas
de mares, de estados e de reinos,
Andaram com um grupo para o céu,
E vasculharam fontes:
Mas há duas coisas vastamente espaçosas,
As quais são mais convenientes
Para serem medidas,
E no entanto são poucos
Os que as sondam: Graça e Amor. “
 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Adoração no Culto Público Autor(a):
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Amor a Deus Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 1 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 2 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 3 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 4 Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 Autor(a):

Parceria:

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências.