Total Visualizações: 1588
Texto mais lido:
MONÓLOGO - O Tempo - Total: 513

Amigos Recentes

1379 CARLOS THIAGO CRUZ DA SILVA1372 GESSICA MOURA OLIVEIRA1340 VELFE HOLLANDINO DE OLIVEIRA JUNIOR1343 ANGELICA GARCIA BILAR DANTAS1297 ALESSANDRO DE SANT ANNA1339 GEORGIA1312 CRISTINA FERREIRA BRANCO1309 HAMILTON RAUL SERPA
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo CLÁUDIO JOAQUIM 1
Todos os textos de: CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 1
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Meu Livro Inesquecível

Certas coisas nunca saem da memória... Lembro-me como se fosse hoje.
Estava na sala, sentado a frente do computador, às 2:07 horas da madrugada tentando elaborar uma apresentação para o dia do Livro, solicitada pelo Diretor da Escola onde trabalho.
Certo momento resolvi conectar-me a Internet e entrar em uma dessas salas de bate-papo, onde as pessoas podem trocar informações, digitando mensagens.
Procurei uma sala com sete pessoas, talvez tão solitárias como eu, mas o sete é o meu número da sorte. Quem sabe conseguiria obter uma dica, uma orientação que me ajudasse?
Das sete pessoas só conversei com duas.
Uma chamava-se Lúcia e a outra Pedro.
Primeiro apresentei-me, e comecei um diálogo. Em poucos minutos já sabia que Pedro acessava o computador apenas durante suas férias, a Lúcia acessava todos os dias e considerava a Internet um “Mundo Mágico”.
Informei da necessidade de apresentar um trabalho para as crianças da 2ª série do Ensino Fundamental.
Lúcia escreveu a palavra Monteiro e em seguida o computador travou, parou inesperadamente.
Aquele nome parecia ter ligado um projetor de slides na minha mente, afinal na minha infância eu chamava o meu baú de brinquedos de Monteiro, pois montava e imaginava ser um cavalo com poderes mágicos.
Levantei da cadeira, saí da sala, entrei no quarto e em cima do guarda roupas, puxei o meu (hoje) baú de recordações, ele estava muito empoeirado, coloquei-o no chão, sentei ao lado e quando abri, pensei estar diante de uma máquina do tempo. Durante alguns breves segundos fiquei sem reação e o tempo parecia ter aumentado devido a quantidade de informações que como num velho disco de computador eu estava recuperando.
Primeiro assoprei a poeira de dentro do baú e em seguida peguei um carrinho de brinquedo, ao segurá-lo em minhas mãos por um breve instante, imaginei ter ouvido as palavras do meu pai: “ _Filho tenho um presente pra você!”, meu coração bateu mais forte, recoloquei o carrinho no lugar, logo após peguei e reli a minha primeira cartinha de amor recebida, e a que eu nunca tive coragem de enviar.
Após retirar diversos objetos, vi um livro com a capa rasgada e muito amassada. Era o livro que ganhei quando fiz sete anos, esse livro havia marcado minha vida. O livro chamava-se Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato.
Segurei o livro com as duas mãos, levantei, saí do quarto, segui em direção ao computador. Abri o livro e coloquei ao lado da tela, sentei na cadeira, respirei fundo, reiniciei o computador, em seguida abri um programa para procurar arquivos.
Vagarosamente movi o ponteiro do mouse até uma pasta chamada: LIVROS_DIGITAIS, cliquei nela e pude ver um arquivo que chamou minha atenção pois chamava-se REINAÇÕES_MONTEIRO_LOBATO_VIRTUAL.
Imediatamente executei esse arquivo e para meu espanto era o mesmo livro que estava ali, ao lado o meu monitor de vídeo.
O livro digital tinha sons, personagens se movimentando, lembrei que numa aventura, a Emília boneca de pano, começou a falar. Não consegui me controlar, vendo o passado e o futuro juntos naquele determinado momento. Uma lágrima rolou na minha face e caprichosamente caiu no teclado, em cima do número 7.
Vi e revi o programa, li e reli o livro.
Resolvi apresentar para os alunos aquele livro digital, pois conseguiria demonstrar a modernidade e o meu livro antigo que insistia em vencer o passado, lembrando que boas obras permanecem.
Antes de dormir, refleti afinal o texto inesquecível da minha infância, agora com uma nova roupagem, sempre esteve ali na memória do meu computador, pude ainda perceber que de dentro do baú da minha vida, havia a emoção de um livro, que apesar de velho, empoeirado e rasgado, tornou-se eterno, afinal de contas, certas coisas nunca saem da memória.
 
 

Esse texto já foi lido hoje por esse computador e usuário. A contagem da poesia não foi adicionada!
 
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
27/03/2018 08:24:28
Mais uma crônica maravilhosa desse autor. Quem nunca leu Monteiro Lobato? Eu tive a minha infância moldada nos livros dele. E o Cláudio veio aqui reavivar a gra ndeza da boa leitura infantil. Hoje as crianças não conhecem o que é isso. Ficam no video game ou na TV. Parabéns Cláudio mais uma vez!
Comentado por: ALCINA MARIA SILVA AZEVEDOData Cadastro: 27/03/2018 08:24:28


Total de visualização: 256
[ 6 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
3 MONÓLOGO - O Tempo 513 26/03/2018
1 MONÓLOGO - Ah! O poeta... 189 26/03/2018
0 UM MENINO CONTRA A DENGUE 248 28/09/2017
0 UM MENINO ESPECIAL 186 28/09/2017
1 MONÓLOGO - O Mistério do Pontinho 196 28/09/2017
1 Meu Livro Inesquecível 256 26/09/2017

Parceria:

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências.