Total Visualizações: 865
Texto mais lido:
MONÓLOGO - O Tempo - Total: 276

Amigos Recentes

751 DENISE FREITAS765 MARINALVA BATISTA TOVAGLIERI758 GURU EVALD749 ROBERT THOMAZ740 MOISÉS ANTÓNIO732 MÔNICA MOURA736 NEDISSON LUIS GESSI516 MARISTELA FERREIRA
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo CLÁUDIO JOAQUIM 1
Todos os textos de: CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 1
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Meu Livro Inesquecível

Certas coisas nunca saem da memória... Lembro-me como se fosse hoje.
Estava na sala, sentado a frente do computador, às 2:07 horas da madrugada tentando elaborar uma apresentação para o dia do Livro, solicitada pelo Diretor da Escola onde trabalho.
Certo momento resolvi conectar-me a Internet e entrar em uma dessas salas de bate-papo, onde as pessoas podem trocar informações, digitando mensagens.
Procurei uma sala com sete pessoas, talvez tão solitárias como eu, mas o sete é o meu número da sorte. Quem sabe conseguiria obter uma dica, uma orientação que me ajudasse?
Das sete pessoas só conversei com duas.
Uma chamava-se Lúcia e a outra Pedro.
Primeiro apresentei-me, e comecei um diálogo. Em poucos minutos já sabia que Pedro acessava o computador apenas durante suas férias, a Lúcia acessava todos os dias e considerava a Internet um “Mundo Mágico”.
Informei da necessidade de apresentar um trabalho para as crianças da 2ª série do Ensino Fundamental.
Lúcia escreveu a palavra Monteiro e em seguida o computador travou, parou inesperadamente.
Aquele nome parecia ter ligado um projetor de slides na minha mente, afinal na minha infância eu chamava o meu baú de brinquedos de Monteiro, pois montava e imaginava ser um cavalo com poderes mágicos.
Levantei da cadeira, saí da sala, entrei no quarto e em cima do guarda roupas, puxei o meu (hoje) baú de recordações, ele estava muito empoeirado, coloquei-o no chão, sentei ao lado e quando abri, pensei estar diante de uma máquina do tempo. Durante alguns breves segundos fiquei sem reação e o tempo parecia ter aumentado devido a quantidade de informações que como num velho disco de computador eu estava recuperando.
Primeiro assoprei a poeira de dentro do baú e em seguida peguei um carrinho de brinquedo, ao segurá-lo em minhas mãos por um breve instante, imaginei ter ouvido as palavras do meu pai: “ _Filho tenho um presente pra você!”, meu coração bateu mais forte, recoloquei o carrinho no lugar, logo após peguei e reli a minha primeira cartinha de amor recebida, e a que eu nunca tive coragem de enviar.
Após retirar diversos objetos, vi um livro com a capa rasgada e muito amassada. Era o livro que ganhei quando fiz sete anos, esse livro havia marcado minha vida. O livro chamava-se Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato.
Segurei o livro com as duas mãos, levantei, saí do quarto, segui em direção ao computador. Abri o livro e coloquei ao lado da tela, sentei na cadeira, respirei fundo, reiniciei o computador, em seguida abri um programa para procurar arquivos.
Vagarosamente movi o ponteiro do mouse até uma pasta chamada: LIVROS_DIGITAIS, cliquei nela e pude ver um arquivo que chamou minha atenção pois chamava-se REINAÇÕES_MONTEIRO_LOBATO_VIRTUAL.
Imediatamente executei esse arquivo e para meu espanto era o mesmo livro que estava ali, ao lado o meu monitor de vídeo.
O livro digital tinha sons, personagens se movimentando, lembrei que numa aventura, a Emília boneca de pano, começou a falar. Não consegui me controlar, vendo o passado e o futuro juntos naquele determinado momento. Uma lágrima rolou na minha face e caprichosamente caiu no teclado, em cima do número 7.
Vi e revi o programa, li e reli o livro.
Resolvi apresentar para os alunos aquele livro digital, pois conseguiria demonstrar a modernidade e o meu livro antigo que insistia em vencer o passado, lembrando que boas obras permanecem.
Antes de dormir, refleti afinal o texto inesquecível da minha infância, agora com uma nova roupagem, sempre esteve ali na memória do meu computador, pude ainda perceber que de dentro do baú da minha vida, havia a emoção de um livro, que apesar de velho, empoeirado e rasgado, tornou-se eterno, afinal de contas, certas coisas nunca saem da memória.
 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
27/03/2018 08:24:28
Mais uma crônica maravilhosa desse autor. Quem nunca leu Monteiro Lobato? Eu tive a minha infância moldada nos livros dele. E o Cláudio veio aqui reavivar a gra ndeza da boa leitura infantil. Hoje as crianças não conhecem o que é isso. Ficam no video game ou na TV. Parabéns Cláudio mais uma vez!
Comentado por: ALCINA MARIA SILVA AZEVEDOData Cadastro: 27/03/2018 08:24:28


Total de visualização: 149
[ 6 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
3 MONÓLOGO - O Tempo 276 26/03/2018
1 MONÓLOGO - Ah! O poeta... 97 26/03/2018
0 UM MENINO CONTRA A DENGUE 141 28/09/2017
0 UM MENINO ESPECIAL 95 28/09/2017
1 MONÓLOGO - O Mistério do Pontinho 107 28/09/2017
1 Meu Livro Inesquecível 149 26/09/2017

Parceria:

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências.